Publicado em 29/09/2014 as 12:00am

Hospital onde morreu milhares vira ponto turístico

O hospital em Ellis Island (New York), que tratou 1,2 milhões de imigrantes entre 1901 e 1954, se tornou um ponto turístico e no mês de outubro abrirá um passeio pelas suas instalações.

O hospital em Ellis Island (New York), que tratou 1,2 milhões de imigrantes entre 1901 e 1954, se tornou um ponto turístico e no mês de outubro abrirá um passeio pelas suas instalações. Eles sofriam de Tuberculose e febre escarlatina e quem a maioria morreram no local. “Se você entrava neste local, ou estava demasiado doente para sobreviver ou doente demais para ficar no país”, disse a guia Jessica Cameron-Bhush. “Quase todas elas tinham a Estátua da Liberdade como a última visão”, continua.

O complexo tem 29 edifícios com salas para tratar doenças contagiosas, avaliar as condições mentais e fornecer cuidados obstétricos para as mulheres grávidas. O local também inclui um necrotério. Nem todas as pessoas que entraram no estabelecimento conseguiram sair e 3.500 pessoas morreram no hospital. Um pouco menos da metade deste número eram crianças.

Os imigrantes eram tratados, às vezes, quando sofriam até injustiça social e racismo. Os exames feitos eram de saúde mental, que na época incluía testes de eugenia. Desta forma era testada a capacidade mental através de medições físicas.

Apenas um por cento dos imigrantes doentes foram enviado de volta por motivo de saúde, de acordo com um documentário produzido pelo New York Times, e a ameaça de deportação ameaçava a todos os pacientes.

O hospital servia, até bem pouco tempo, como um local de exposição para crianças em idade escolar, mas os edifícios foram parcialmente destruídos pelo Furacão Sandy, em outubro de 2012. O local manteve as mesmas instalações que tinha em 1954, antes de ser fechado, juntamente com as outras instalações de imigração em Ellis Island.

A organização filantrópica chamada “Save Ellis Island” decidiu iniciar uma campanha para restaurar a parte destruída e abrir as instalações para visitação acompanhada por um guia. Isso terá início na próxima quarta-feira, dia 1º de outubro. Os visitantes poderão, além de conhecer o local, apreciar uma exposição de fotografias intitulada “Unframed - Ellis Island”, projetada pelo artista francês JR.

O Necrotério tem assentos em estilo de estádio para poder ver como eram realizadas as necropsias em pacientes que morreram no hospital. Os quartos do hospital têm retratos nas paredes, nas portas e janelas. São fotos de arquivo da instituição que mostram os imigrantes que aguardavam atendimento e os médicos preparados para operá-los.

Em uma sala, uma família de imigrantes agarrado a uma janela de vidro quebrado, tem vista para a Estátua da Liberdade.

Fonte: Da redação