Publicado em 14/07/2008 as 12:00am

Ex-cônsul dos EUA diz que sexo com menores no Brasil é normal

Ex-diplomata afirma que manteve relações com meninas de 14 a 17 anos e filmou porque cultura do País permite

Um ex-diplomata que é acusado de manter relações sexuais com adolescentes no Brasil e no Congo e filmar os encontros pediu clemência à Justiça sob a justificativa de que as diferencias culturais nestes países tornariam aceitáveis esse tipo de relação com menores. Gons G. Nachman, de 42 anos, se declarou culpado em abril pelas acusações de possuir material de pornografia infantil e admitiu que manteve relações sexuais com meninas entre 14 e 17 anos enquanto foi cônsul no Brasil e no Congo.

O juiz do caso concordou em adiar até 22 de agosto a decisão da pena até que Nachman seja examinado por um psicólogo forense. Segundo o advogado de defesa Stephen Stine, o exame poderá mostras que as diferenças culturais fizeram com que o ex-cônsul acreditasse que era permitido manter relações com as menores, o que poderia ter impacto em sua sentença.

A Justiça rechaçou ainda o argumento de que, de certa maneira, as vítimas de Nachman merecem menos proteção porque não nasceram ou foram criadas nos Estados Unidos. A pena pedida para o acusado é de 20 anos de prisão.

Durante o julgamento, Nachman foi acusado ainda de pressionar mulheres a fazer sexo em troca de vistos. O ex-cônsul admitiu que manteve relação duas brasileiras que conheceu durante o processo de concessão, mas negou que elas tenham sido pressionadas e nunca foi acusado pelo caso.

Nachman pediu ainda autorização para que ele possa casar com sua noiva brasileira, de 21 anos, antes de cumprir a pena. O juiz federal Gerald Bruce Lee negou o pedido.

Fonte: (folha online)