Publicado em 13/03/2009 as 12:00am

Brasileiros perderam dinheiro por investir em fundo de Madoff

Empresários da América Latina, inclusive brasileiros, estão entre as vítimas da fraude cometida pelo administrador de fundos americano Bernard Madoff através do esquema de pirâmide financeira

Empresários da América Latina, inclusive brasileiros, estão entre as vítimas da fraude cometida pelo administrador de fundos americano Bernard Madoff através do esquema de pirâmide financeira, que deixou prejuízos de US$ 50 bilhões, segundo a edição de hoje do "The Wall Street Journal".

Embora no Brasil ninguém tenha revelado perdas, gerentes de bancos asseguram que alguns cidadãos do país investiram no fundo de Madoff.

Segundo advogados consultados pelo jornal, "a razão mais plausível que explica este silêncio é que investiram dinheiro no exterior sem declará-lo em seu país, uma prática relativamente comum dada a regulação e as altas taxas".

"Não era dinheiro declarado, e nesse caso, as vítimas não vão aparecer", assegurou Marcelo Trindade, advogado e ex-chefe da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Por enquanto, o grupo Fairfield Greenwich Group é o mais exposto ao caso Madoff, com uma perda potencial de US$ 7,5 bilhões que investiu através de seu fundo Fairfield Sentry.

A sociedade também tinha presença no Brasil e, segundo seu site, a representante da firma no país é Bianca Haegler, sobrinha de seu fundador, Walter Noel.

A esposa de Noel, Mônica Haegler, provém de uma família rica do Rio de Janeiro com raízes suíças. Segundo as autoridades reguladoras do mercado brasileiro, ela não estava registrada para vender investimentos no país, e o jornal assegura que, após consultas sobre sua participação, a Fairfield apagou seu nome do site.

Gerentes de fundos citados pelo jornal afirmam que os brasileiros investiram no fundo Madoff ou no Fairfield através de bancos privados, incluindo o Safra e o UBS.

O Safra diz que comprou produtos de Madoff para alguns de seus clientes de bancos privados, enquanto o UBS admite ter oferecido acesso ao fundo do americano a vários dos seus clientes, mas nenhum quis fornecer mais detalhes ao jornal.

O "The Wall Street Journal" acrescenta que alguns dos afetados chegaram ao fundo de investimento de Madoff através do espanhol Banco Santander, que conta com grandes operações na América Latina.

"Outros investidores parecem ter sido incorporados à pirâmide através de sua amizade com Andrés Piedrahita, um banqueiro de origem colombiana que vive em Madri e Londres e é o genro de Noel", relata o jornal.

O Banco Santander reconheceu este mês ter investido mais de US$ 2,3 bilhões de euros (cerca de US$ 3,28 bilhões) no fundo de Madoff.

"Os clientes do Santander em Monterrey foram convidados a investir nesse fundo", disse ao jornal Ernesto Canales, um dos advogados mais importantes da cidade - capital industrial do México -, que calcula prejuízos de aproximadamente US$ 300 milhões.

No Chile, duas das corretoras mais importantes do país revelaram perdas ligadas aos investimentos controlados por Madoff.

Segundo o jornal, muitas das vítimas da fraude de Madoff na América Latina relutarão em admitir que perderam dinheiro ao temerem a reação das autoridades tributárias de seu país e por sua própria segurança.

Fonte: (Folha Online)