Publicado em 15/03/2009 as 12:00am

No Rio, brasileiros protestam pela permanência de filho de americano no país

Um grupo brasileiros realizou na manhã deste domingo uma manifestação, no Rio, pedindo a permanência do menino de 8 anos que se tornou pivô de uma disputa entre o Brasil e os Estados Unidos

Um grupo brasileiros realizou na manhã deste domingo uma manifestação, no Rio, pedindo a permanência do menino de 8 anos que se tornou pivô de uma disputa entre o Brasil e os EUA. O garoto Sean vive no Rio com o padrasto, João Paulo Lins e Silva, após a morte da mãe, a brasileira Bruna Bianchi. O pai biológico do menino, o americano David  Goldman --com quem Lins e Silva disputa a guarda--, argumenta que o filho foi sequestrado.

De acordo com a a Polícia Militar, a manifestação ocorreu por volta das 11h, na avenida Atlântica. O pai do menino tenta conseguir a guarda do filho na justiça brasileira e levá-lo de volta aos Estados Unidos.

Segundo informações da PM, o protesto começou em frente ao hotel onde estava hospedado Goldman --que desembarcou no Brasil na última quinta-feira (11), para fazer exames pedidos pela Justiça brasileira.

A multidão esperava a saída de Goldman em direção ao aeroporto, de onde retornaria aos Estados Unidos na manhã de hoje. No entanto, a família da mãe do menino teria dito aos manifestantes que o pai de Sean já havia retornado ao país no final da tarde de sábado (14).

Ainda segundo a PM, a manifestação foi pacífica. A policia não soube informar quantas pessoas participaram do protesto.

Disputa

Goldman tenta recuperar a guarda o filho desde 2004, quando Bruna viajou para o Rio durante uma visita aos pais e não voltou aos Estados Unidos.

Em agosto do ano passado, ela morreu durante o nascimento da primeira filha com o novo marido, o advogado Lins e Silva, que hoje detém a guarda do garoto. O caso foi parar nas grandes redes americanas de TV e jornais dos Estados Unidos.

Em visita aos Estados Unidos, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que a luta pela guarda do garoto americano será decidida pelos tribunais do Brasil. Ele confirmou que o caso foi tratado durante o encontro com o presidente americano, Barack Obama, na Casa Branca.

"O problema da criança está no sistema judicial [brasileiro]", disse Lula, neste sábado, em uma entrevista na embaixada brasileira. "Esperamos que o sistema judicial faça o que deve fazer, e o governo brasileiro vai respeitá-lo", afirmou o presidente.

A história foi tema especial nos programas Larry King Live e NBC Today Show, onde a secretária de Estado, Hillary Clinton, defendeu que a guarda do garoto seja do pai. 

Fonte: (Folha Online)