Publicado em 5/04/2009 as 12:00am

Crise financeira lota terminais de conteineres do Porto de Santos

Demorou quase dois meses, mas os efeitos da crise financeira internacional chegaram ao Porto de Santos.

 

Demorou quase dois meses, mas os efeitos da crise financeira internacional chegaram ao Porto de Santos. Os terminais de contêineres estão praticamente lotados, atingindo uma ocupação média de 85%, o que preocupa o setor. Em alguns casos, já há utilização total da capacidade.

A crise atinge principalmente as importações realizadas pelo complexo. Com o dólar valendo R$2,25 (cotação do comercial), as empresas que encomendaram produtos no exterior esperam uma queda no preço da moeda norte-americana para nacionalizá-los, pois os impostos são calculados sobre a taxa do dia. A estratégia provoca uma superlotação nos pátios dos terminais de contêineres, onde esses artigos estão armazenados.

A notícia no jornal local apurou que a média de ocupação dos pátios de importação dos terminais de contêineres santistas está em 90%. Já a das áreas destinadas às mercadorias de exportação está chegando a 80%. O problema já é visível. Basta passar pelos terminais e conferir que o empilhamento de contêineres já chega à sexta fileira. Em situações normais, com a taxa de ocupação entre 60 e 70%, o armazenamento vai até a quarta fila.

O diretor-executivo do Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo (Sopesp), José dos Santos Martins, afirmou que, de fato, a capacidade nos terminais está elevada. Entretanto, ele disse que a expectativa do setor é que os governos do Brasil e o dos principais países com os quais são mantidas relações comerciais tomem medidas para conter a moeda norte-americana e, enfim, "restaurar o fluxo de comércio exterior, não somente no Porto de Santos, mas em todo o cenário internacional".

De acordo com o diretor de Infra-estrutura e Serviços da Codesp, Paulino Moreira Vicente, o represamento dos contêineres no porto existe, porém, a "situação está contornada". Sem precisar o impacto que a crise poderá causar na movimentação das unidades, ele disse apenas que "a operação de contêineres não teve um crescimento muito grande no fechamento do ano".

De modo geral, as operações não foram interrompidas. Ou seja, mais conteineres tem chegado e o acúmulo tem crescido. Entretanto, somente estão sendo desembaraçadas aquelas cargas cuja nacionalização seja essencial para consumo humano e para uso industrial.

No ano passado, o cais santista movimentou 2,5 milhões de TEUs (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés). No início do ano, a expectativa do setor era de que 2008 fechasse com um aumento de 10% nas operações, o que não confirma a partir da turbulência internacional.

No Terminal para Contêineres da Margem Direita (Tecondi), o pátio para importação já chegou a 100% de ocupação, afirmou o diretor comercial, Luiz Araújo. Na semana passada foi mais crítico ainda, quando se alcançou entre 130% e 140% e houve a necessidade de utilizar as ruas entre as pilhas de contêineres como ponto de armazenagem. No pátio de exportação do terminal ­ que é parcialmente dividido com as cargas que vão para os terminais retroportuários ­, a ocupação é da ordem de 53%.

Segundo Araújo, o tempo de permanência das cargas na instalação dobrou. Antes da crise, eram 12 horas. Para ele, a normalidade retornará quando o dólar voltar a baixar.



Carta dos Despachantes do porto de Santos

Prezados clientes,

Como é de conhecimento de todos, o porto de Santos está atravessando um período critico, devido o grande fluxo de cargas recebidas nestes últimos meses por conseqüência da variação cambial, fazendo a capacidade de carga nos terminais passar de 120%.

Por isso, informamos que os processos estão demorando um pouco mais para serem liberados, pois, a fiscalização exige que os containers

estejam no chão para conferência física, o que dificulta o processo de liberação.

Outro grave problema que estamos enfrentando são as programações de carregamentos, temos caminhões que chegam a ficar quase 02 dias

na porta dos terminais, atrasando as entregas.

Esta situação, acreditamos que melhore somente a partir desse início de ano.

Fonte: (Da redação)