Publicado em 15/04/2009 as 12:00am

Parecia uma lan house na praça', diz brasileiro que viveu terremoto na Itália

Jogadores brasileiros de futsal chegaram neste domingo a São Paulo. Jovens contaram ao G1 o drama dos primeiros momentos após o tremor.

Faz uma semana que eu não durmo”, disse ao desembarcar em São Paulo neste domingo (12) o jogador de futebol de salão Walter Muoio Filho, 24 anos. Ele mora na Itália há quatro anos e estava com outros seis brasileiros na casa que dividem na pequena cidade de Raiano, a 50 quilômetros de L’Áquila, quando os tremores começaram.

A cidade de L´Áquila, a leste de Roma, foi atingida na última segunda-feira (6) pelo maior terremoto em 30 anos na Itália. Os abalos deixaram quase 300 mortos e cerca de 40 mil pessoas perderam suas casas.

Muoio Filho havia acabado de se deitar quando sentiu as paredes balançando. “Nem tive a reação de correr; comecei a orar porque pensei que ia morrer, fiquei esperando a morte”, disse o jogador. Foi o medo causado pelos contínuos tremores que fez com que Walter e dois colegas pedissem aos dirigentes do clube Raiano, onde atuam, que fossem liberados para voltar para casa antes do fim do campeonato, que só termina em maio.

Noite na praça


Depois do primeiro tremor, na segunda-feira, os rapazes saíram correndo de casa para dormir na praça da cidade, onde segundo eles, estavam reunidos quase todos os 3 mil habitantes de Raiano.

“Estávamos em sete no apartamento e sentimos a cidade balançar por uns 20 segundos”, diz Marcelo. Desde então, eles não voltaram mais a dormir no imóvel,que foi interditado pela Defesa Civil porque ficou rachado. "Só voltávamos para cozinhar alguma coisa bem rápido de dia e saíamos de novo. Nem comíamos direito", diz.

“Pegamos lençol, laptop e fomos dormir na rua. Todo mundo levou computador. Parecia uma lan house na praça”, disse Marcelo, que também usou seu próprio computador para manter a comunicação com a família e mostrar as imagens do local pela webcam.


Fonte: (G1)