Publicado em 29/06/2011 as 12:00am

Grampo flagra lobby do prefeito de Campinas (SP) com marqueteiro de Dilma

Interceptações telefônicas flagraram o prefeito de Campinas (SP), Dr. Hélio (PDT), pedindo que o publicitário João Santana, marqueteiro das campanhas presidenciais do PT desde 2006, que fizesse lobby com a presidente Dilma Rousseff em favor da Huawei, gig

Interceptações telefônicas flagraram o prefeito de Campinas (SP), Dr. Hélio (PDT), pedindo que o publicitário João Santana, marqueteiro das campanhas presidenciais do PT desde 2006, que fizesse lobby com a presidente Dilma Rousseff em favor da Huawei, gigante chinesa da área de tecnologia. A informação é do jornal O Estado de S.Paulo desta quarta-feira (29).

Segundo o jornal, em ligação telefônica no dia 2 de abril, Dr. Hélio diz: "É a empresa que mais contribui, das estrangeiras, com ISS aqui pra Campinas [93 km de São Paulo]. Eles têm um showroom lá e me convidaram pra eu tá lá pra eles anunciarem esse investimento de US$ 350 milhões aqui no Brasil, né (sic)". Santana então responde: "E se puser o showroom no próprio hotel que ela (Dilma) vai ficar? Deixa eu primeiro fazer essa consulta que na segunda eu devo encontrar com ela. Segunda ou terça, daí eu falo diretamente com ela pra ver."

No dia 8 de abril, a presidente embarcava para uma viagem à China, na primeira missão oficial de negócios de seu governo.

O prefeito de Campinas e sua mulher, Rosely Nassim, que participaram da comitiva, são acusados de fraudes em licitações e desvio de recursos públicos.

Em Pequim, Dilma encontrou-se com Ren Zhengfei, executivo principal da Huawei, que anunciou logo no primeiro dia da visita da presidente o investimento de US$ 300 milhões na construção de um centro de pesquisa em tecnologia em Campinas. Em resposta, o Planalto informou que a audiência da presidente com representantes da empresa ocorreu "pela relevância da companhia no setor de tecnologia e pelo interesse de ampliação dos seus investimentos no Brasil".

O caso

No início de junho, o Ministério Público denunciou 22 pessoas de Campinas por formação de quadrilha. Elas são acusadas de direcionar licitações da Sanasa (empresa mista de saneamento da cidade) em troca de propinas. Segundo a Promotoria, o esquema era chefiado pela primeira-dama e ex-chefe de gabinete Rosely Nassim Santos. Também participava o vice-prefeito Demétrio Vilagra (PT).

Rosely chegou a ter a prisão preventiva decretada e permaneceu foragida, mas conseguiu revogar a ordem de prisão no Tribunal de Justiça. Ela nega as acusações.

O ex-presidente da Sanasa (Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A) Luiz Augusto de Aquino, considerado a principal testemunha na denúncia de corrupção na prefeitura de Campinas, confirmou nesta terça-feira (28) à Justiça que a primeira-dama da cidade, Rosely Nassin Santos, comandava o esquema de fraudes em contratos.

Beneficiado pela delação premiada, Aquino disse a promotores e ao juiz Nelson Augusto Bernardes, da 3ª Vara Criminal, que ele entregava em espécie e em mãos à primeira-dama o dinheiro das propinas em três endereços: o gabinete de Rosely, no prédio da prefeitura; a residência do casal; e o escritório de uma empresa "fantasma" de transportes em um bairro da cidade. Segundo Aquino, o prefeito Hélio Oliveira Santos (PDT), marido de Rosely, era ciente das transações mas não presenciava a entrega do dinheiro.

Segundo o jornal, em ligação telefônica no dia 2 de abril, Dr. Hélio diz: "É a empresa que mais contribui, das estrangeiras, com ISS aqui pra Campinas [93 km de São Paulo]. Eles têm um showroom lá e me convidaram pra eu tá lá pra eles anunciarem esse investimento de US$ 350 milhões aqui no Brasil, né (sic)". Santana então responde: "E se puser o showroom no próprio hotel que ela (Dilma) vai ficar? Deixa eu primeiro fazer essa consulta que na segunda eu devo encontrar com ela. Segunda ou terça, daí eu falo diretamente com ela pra ver."

No dia 8 de abril, a presidente embarcava para uma viagem à China, na primeira missão oficial de negócios de seu governo.

O prefeito de Campinas e sua mulher, Rosely Nassim, que participaram da comitiva, são acusados de fraudes em licitações e desvio de recursos públicos.

Em Pequim, Dilma encontrou-se com Ren Zhengfei, executivo principal da Huawei, que anunciou logo no primeiro dia da visita da presidente o investimento de US$ 300 milhões na construção de um centro de pesquisa em tecnologia em Campinas. Em resposta, o Planalto informou que a audiência da presidente com representantes da empresa ocorreu "pela relevância da companhia no setor de tecnologia e pelo interesse de ampliação dos seus investimentos no Brasil".

O caso

No início de junho, o Ministério Público denunciou 22 pessoas de Campinas por formação de quadrilha. Elas são acusadas de direcionar licitações da Sanasa (empresa mista de saneamento da cidade) em troca de propinas. Segundo a Promotoria, o esquema era chefiado pela primeira-dama e ex-chefe de gabinete Rosely Nassim Santos. Também participava o vice-prefeito Demétrio Vilagra (PT).

Rosely chegou a ter a prisão preventiva decretada e permaneceu foragida, mas conseguiu revogar a ordem de prisão no Tribunal de Justiça. Ela nega as acusações.

O ex-presidente da Sanasa (Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A) Luiz Augusto de Aquino, considerado a principal testemunha na denúncia de corrupção na prefeitura de Campinas, confirmou nesta terça-feira (28) à Justiça que a primeira-dama da cidade, Rosely Nassin Santos, comandava o esquema de fraudes em contratos.

Beneficiado pela delação premiada, Aquino disse a promotores e ao juiz Nelson Augusto Bernardes, da 3ª Vara Criminal, que ele entregava em espécie e em mãos à primeira-dama o dinheiro das propinas em três endereços: o gabinete de Rosely, no prédio da prefeitura; a residência do casal; e o escritório de uma empresa "fantasma" de transportes em um bairro da cidade. Segundo Aquino, o prefeito Hélio Oliveira Santos (PDT), marido de Rosely, era ciente das transações mas não presenciava a entrega do dinheiro.

Fonte: UOL.COM.BR