Publicado em 17/09/2011 as 12:00am

Dilma e Ricardo Teixeira "dividem" eventos e políticos nos atos de mil dias

A cidade mineira de Belo Horizonte foi o palco, na última sexta-feira, do evento oficial que marcou o início da contagem regressiva para a Copa do Mundo de 2014, a mil dias do torneio. As duas autoridades máximas brasileiras na organização do evento, poré

A cidade mineira de Belo Horizonte foi o palco, na última sexta-feira, do evento oficial que marcou o início da contagem regressiva para a Copa do Mundo de 2014, a mil dias do torneio. As duas autoridades máximas brasileiras na organização do evento, porém, não tiveram agenda comum e sequer estiveram na cidade ao mesmo tempo.

Enquanto a presidente da República, Dilma Rousseff, visitou as obras de reforma do Mineirão de manhã, acompanhada por Pelé, seu embaixador para a Copa, o presidente do COL (Comitê Organizador Local), Ricardo Teixeira, foi à Praça da Liberdade no período da noite, onde, junto com políticos mineiros, acionou o cronômetro que já faz a contagem regressiva para o Mundial.

O distanciamento entre a presidente da República e Ricardo Teixeira, que também é presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), é nítida e vem se reforçando a cada evento em que os dois estão presentes. No último dia 31 de julho, as duas autoridades foram ao Rio de Janeiro para a evento de sorteio das chaves das eliminatórias para a Copa.

O cartola não foi recebido na área reservada à presidente na estrutura que foi montada. Os dois não conversaram reservadamente nem se reuniram. Há tempos o cartola tenta marcar uma audiência. Em vez de Teixeira, Dilma recebeu, entre outros, Ronaldo, Neymar, Ganso e Ivete Sangalo, após a realização do sorteio.

Desta vez, Dilma visitou o Mineirão junto com o governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia (PSDB), e o ministro do Desenvolvimento e ex-prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT). Depois, foi à prefeitura de Belo Horizonte, onde encontrou com o prefeito Marcio Lacerda (PSB) e apresentou sua própria agenda positiva: em seu discurso, anunciou que governo Federal irá investir diretamente na construção do metrô de Belo Horizonte a quantia de R$ 1 bilhão, e garantiu que uma linha de crédito de mais R$ 750 milhões será aberta para o financiamento do projeto, via BNDES e outros bancos de fomento estatais. Depois disso, seguiu de volta à Brasília.

Já o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, chegou à capital mineira no final da tarde, para participar da inauguração do relógio que marca os dias que faltam para o início da Copa. No Palácio da Liberdade, ex-sede do governo de Minas, jantou com Anastasia e com o senador Aécio Neves (PSDB-MG), depois de depois mover, junto com os dois políticos, a alavanca que acionou o cronômetro. Junto com eles, outros 150 convidados participaram da ceia, que ajudou o custo da festa chegar a R$ 650 mil, dinheiro este tirado dos cofres do governo de Minas e da prefeitura de BH.

A cerimônia aconteceu em meio ao barulho dos fogos de artifício e dos gritos das centenas de professores que foram ao Palácio da Liberdade para protestar contra a política salarial do Estado para educação, em mais uma atividade da greve da categoria, que já dura mais de 100 dias.

Entre Teixeira, autoridades políticas e da Fifa, apenas um personagem recebeu todos os aplausos nesta sexta: o embaixador Pelé, a única unanimidade nos eventos dos mil dias para a Copa do Mundo no Brasil. 

O cartola não foi recebido na área reservada à presidente na estrutura que foi montada. Os dois não conversaram reservadamente nem se reuniram. Há tempos o cartola tenta marcar uma audiência. Em vez de Teixeira, Dilma recebeu, entre outros, Ronaldo, Neymar, Ganso e Ivete Sangalo, após a realização do sorteio.

Desta vez, Dilma visitou o Mineirão junto com o governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia (PSDB), e o ministro do Desenvolvimento e ex-prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT). Depois, foi à prefeitura de Belo Horizonte, onde encontrou com o prefeito Marcio Lacerda (PSB) e apresentou sua própria agenda positiva: em seu discurso, anunciou que governo Federal irá investir diretamente na construção do metrô de Belo Horizonte a quantia de R$ 1 bilhão, e garantiu que uma linha de crédito de mais R$ 750 milhões será aberta para o financiamento do projeto, via BNDES e outros bancos de fomento estatais. Depois disso, seguiu de volta à Brasília.

Já o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, chegou à capital mineira no final da tarde, para participar da inauguração do relógio que marca os dias que faltam para o início da Copa. No Palácio da Liberdade, ex-sede do governo de Minas, jantou com Anastasia e com o senador Aécio Neves (PSDB-MG), depois de depois mover, junto com os dois políticos, a alavanca que acionou o cronômetro. Junto com eles, outros 150 convidados participaram da ceia, que ajudou o custo da festa chegar a R$ 650 mil, dinheiro este tirado dos cofres do governo de Minas e da prefeitura de BH.

A cerimônia aconteceu em meio ao barulho dos fogos de artifício e dos gritos das centenas de professores que foram ao Palácio da Liberdade para protestar contra a política salarial do Estado para educação, em mais uma atividade da greve da categoria, que já dura mais de 100 dias.

Entre Teixeira, autoridades políticas e da Fifa, apenas um personagem recebeu todos os aplausos nesta sexta: o embaixador Pelé, a única unanimidade nos eventos dos mil dias para a Copa do Mundo no Brasil. 

dinheiro este tirado dos cofres do governo de Minas e da prefeitura de BH.

A cerimônia aconteceu em meio ao barulho dos fogos de artifício e dos gritos das centenas de professores que foram ao Palácio da Liberdade para protestar contra a política salarial do Estado para educação, em mais uma atividade da greve da categoria, que já dura mais de 100 dias.

Entre Teixeira, autoridades políticas e da Fifa, apenas um personagem recebeu todos os aplausos nesta sexta: o embaixador Pelé, a única unanimidade nos eventos dos mil dias para a Copa do Mundo no Brasil. 

Fonte: UOL.COM.BR