Publicado em 25/02/2012 as 12:00am

Adolescente morre ao cair de brinquedo do Hopi Hari, em Vinhedo (SP)

Adolescente morre


Um acidente em um dos brinquedos do parque de diversões Hopi Hari causou a morte da adolescente Gabriela Yokuri Michimura, 14, por volta das 10h30 desta sexta-feira (24).

A assessoria de imprensa do parque informou que a garota chegou a ser levada para o hospital Paulo Sacramento, em Jundiaí (SP), mas não resistiu. Segundo o hospital, Gabriela teve um traumatismo craniano após a queda. Ela foi reanimada ainda no parque, mas teve uma parada cardíaca depois.

De acordo com a PM, a garota se desprendeu do assento do brinquedo conhecido como elevador e caiu. A assessoria de imprensa do parque disse que ainda não tem informações sobre as causas do acidente.

O parque fica no km 72,5 da rodovia dos Bandeirantes, na região de Vinhedo (79 km de São Paulo). O brinquedo Torre Eiffel, onde ocorreu o acidente, tem 69,5 metros de altura, o equivalente a um prédio de 23 andares. Na atração, os participantes caem em queda livre, podendo atingir 94 km/h, segundo informações do site do parque.

Em nota, o Hopi Hari informou que "lamenta profundamente o ocorrido" e que "está prestando toda a assistência à família da vítima e apoiando os órgãos responsáveis na investigação sobre as causas do acidente".

O parque foi fechado por volta de 11h15 desta sexta-feira (24) após a morte da adolescente e voltará a funcionar nesse sábado (24) de manhã, segundo informou a assessoria de imprensa.

Segurança

No Torre Eiffel, as cadeiras são suspensas até o limite de altura do brinquedo e caem bruscamente. Os assentos são presos por travas, que cobrem o usuário dos ombros até as pernas.

Segundo a assessoria de imprensa do parque, as cadeiras só são autorizadas a subir se todas as travas estiverem devidamente presas. Caso alguma cadeira não esteja travada, o sistema que controla o brinquedo emite um sinal e impede a subida das cadeiras. Se todas as cadeiras estão travadas, uma luz verde se acende autorizando o funcionamento.

Ainda de acordo com a assessoria, os funcionários verificaram todas as travas antes da subida das cadeiras. O brinquedo, informa o parque, é vistoriado diariamente e submetido a análise de um engenheiro a cada três meses.

Fonte: (da uol)