Publicado em 17/04/2012 as 12:00am

Irmão de Ronaldinho Gaúcho é condenado à prisão por lavagem de dinheiro

Irmão de Ronaldinho Gaúcho é condenado à prisão por lavagem de dinheiro

O irmão e empresário de Ronaldinho Gaúcho, Roberto de Assis Moreira, foi condenado à prisão em regime semiaberto pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, nesta terça-feira. A razão para sentença de cinco anos e cinco meses se deve a acusação de lavagem de dinheiro e sonegação de impostos, ocorridas em 2003 e 2004. Assis ainda pode recorrer da decisão, publicada na última quinta-feira.

De acordo com a denúncia, Assis contribuiu para que fossem sonegadas informações ao Banco Central sobre transferência e câmbio de 884 mil dólares. Além de depósito de R$ 125 mil em banco na Suíça sem prestar esclarecimentos à Receita Federal, e ocultar e dissimular movimentações de propriedade no valor de R$ 776.480,28, convertendo-o em ativos lícitos.

A alegação de Assis sobre o dinheiro investido e impostos sonegados é que eles tinham origem em sua carreira como jogador de futebol, encerrada em 2001, na França. Assis teve passagens por Corinthians, Grêmio, Fluminense, Vasco e uma série de times fora do país quando atleta profissional.

Atualmente, Assis gere a carreira de Ronaldinho Gaúcho e tem muitos investimentos em Porto Alegre. No entanto, a situação da família deles não é a melhor na capital gaúcha. O clube de futebol que tinham, Porto Alegre, foi fechado por tempo indeterminado. Da mesma forma, após um assassinato, a casa noturna Planet Hall também acabou interditada.

Além do ódio da torcida do Grêmio, fruto da negociação frustrada no início de 2011 e da maneira que Ronaldinho deixou o clube em 2001, sem praticamente gerar lucro algum. Assis foi intermediário das tratativas com o Grêmio ano passado, e eleito principal vilão pela direção gremista.

Segundo a sentença, publicada no site oficial do TRF, Assis precisará cumprir 5 anos e 5 meses de prisão em regime semiaberto. Além de pagar 40 salários mínimos da época de um dos casos, maio de 2004, e mais 15 salários mínimos de outra acusação, dezembro de 2003. No entanto, a prisão não será imediata, pois ele tem o direito de recorrer em liberdade.


Fonte: (da uol)