Publicado em 13/05/2013 as 12:00am

Academia de Ciências dos EUA elege pela primeira vez uma brasileira

Ruth Nussenzweig é pioneira no desenvolvimento de vacinas contra a malária

da redação

Uma cientista brasileira foi eleita para integrar a Academia de Ciências dos Estados Unidos (NAS, na sigla em inglês), em anúncio inédito nos 150 anos da instituição americana. A médica Ruth Nussenzweig, hoje professora na Universidade de Nova York, é reconhecida em todo o mundo pelas pesquisas pioneiras no combate à malária.

De acordo com o professor Ricardo Gazzinelli, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), foi o modelo experimental de Nussenzweig que serviu como base para o desenvolvimento da mais avançada vacina que se tem até o momento contra a doença, testada inclusive em seres humanos. Atuante no Departamento de Parasitologia da Escola de Medicina da Universidade de Nova York, Nussenzweig teria sido a primeira a demonstrar com sucesso a imunidade em animais, já na década de 1960.

Hoje, próxima de completar 85 anos, a médica espera que sua ingressão na academia de ciências americana inspire a nova geração de pesquisadores. O anúncio foi feito pela NAS em 30 de abril. Agora a instituição soma treze pesquisadores brasileiros, sendo Nussenzweig a primeira mulher entre eles. O grupo é integrado ainda pelo seu filho Michel Nussenzweig, da Universidade Rockfeller.

O anúncio da NAS incluiu também a nomeação de Vanderlei Bagnato como representante do Brasil na categoria Associado Estrangeiro. Bagnato é professor titular no Instituto de Física de São Carlos, da Universidade de São Paulo (USP), e coordenador do Centro de Ciências Ópticas e Fotônica (CePOF), da FAPESP.

 

 

legenda

A médica Ruth Nussenzweig

Fonte: Brazilian Times