Publicado em 2/06/2013 as 12:00am

Corpo de índio é retirado de velório para nova autópsia em Sidrolândia (MS)

Corpo de índio é retirado de velório para nova autópsia em Sidrolândia (MS)


O velório do índio terena Oziel Gabriel, 35, morto na última quinta-feira (30) em confronto com policiais federais e militares que cumpriam ordem judicial de despejo de uma fazenda em Mato Grosso do Sul, foi suspenso na tarde desta sexta (31) para que o corpo dele seja submetido a uma nova autópsia. Nesse mesmo dia, a área onde aconteceu o conflito voltou a ser ocupada.

A cerimônia acontecia na casa da família, onde o índio vivia com a mulher e dois filhos, um de 15 anos, outro de 18. "Soube que o ministério [da Justiça] foi quem determinou novo exame, querem saber de onde saiu o tiro que matou nosso patrício", disse ao UOL Antonio Aparecido, cacique da aldeia Córrego do Meio, que fica a cerca de oito quilômetros da fazenda Buriti, onde ocorreu o conflito anteontem.

O exame será feito por três peritos quem seguiram de Brasília para Campo Grande, onde o exame será feito. O corpo do índio deve ser liberado até este domingo. Ontem mesmo, enquanto o terena era velado, ao menos 200 índios retornaram à fazenda Buriti, de 300 hectares, propriedade do ex-deputado estadual Ricardo Bacha. A área é cercada por aldeias.

Logo depois da morte do índio, o médico Wolney Pereira escreveu em laudo que o índio havia morrido vítima de um ferimento provocado por arma de fogo. O legista narra no documento que o projétil entrou pela barriga do terena, atravessou o fígado e saiu pelas costas.

Fonte: www.uol.com