Publicado em 11/06/2013 as 12:00am

Moradores entram em conflito com PM durante reintegração de posse em SP Comente

Moradores entram em conflito com PM durante reintegração de posse em SP Comente


Moradores entraram em conflito com a Polícia Militar no início da manhã de hoje (11) durante a reintegração de posse de um terreno no Parque Bristol, na zona sul da capital paulista. Eles fizeram barricadas, e a PM atirou bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha contra os cerca de 100 manifestantes. De acordo com a rádio CBN, relatos de moradores falavam em uma criança gravemente ferida, mas a polícia desmentiu a afirmação.

Segundo a contagem da PM, o terreno de 60 mil metros quadrados, na avenida do Cursino, é ocupado por 120 pessoas. Já os moradores dizem que vivem no local cerca de mil famílias.

De acordo com o capitão Pardubsky, da PM, grande parte dos barracos já começou a ser demolida. Os moradores estão levando os pertences para os 40 caminhões disponibilizados. Cerca de 120 carregadores auxiliam a retirada dos móveis. Segundo o capitão, a ação policial deve se estender até o meio-dia.

O trânsito na avenida do Cursino está totalmente interditado desde a altura do número 4.000. Segundo a SPTrans, o itinerário de quatro linhas de ônibus foi alterado, a 4718/10 Jardim Celeste-Metrô Santa Cruz, a 4727/10 Jardim Clímax-Metrô Praça da Árvore, a 5108/10 Jardim Celeste-Terminal Parque Dom Pedro II e a 4734/10 Vila Moraes-Metrô Saúde.

Problemas em reitegrações de posse

Os casos de reintegrações de posse que terminam em conflito entre ocupantes e forças policiais vem acontecendo com frequência no Brasil.

O mais recente começou em fins de maio e envolve os índios terenas, que ocupam uma fazenda em Sidrolândia (MS) e vêm sofrendo sucessivas tentativas de reintegração de posse. O conflito provocou a morte de um indígena, que morreu em confronto contra as forças da Polícia Federal e da PM.

Na capital paulista, em março deste ano, policiais usaram balas de borracha e bombas de efeito moral para cumprir a reitegração de posse de um terreno no bairro do Iguatemi, zona leste da cidade, que era ocupado por cerca de 700 famílias.

Em meados de maio, a PM foi acionada para fazer a reintegração de posse em um terreno destinado ao programa de moradia popular do governo federal "Minha Casa, Minha Vida" em Nova Iguaçu (RJ), na Baixada Fluminense, que estava ocupado por cerca de 300 famílias.

O canteiro de obras da usina hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu (PA), também é objeto de ocupações indígenas e operações de reintegração de posse desde o início de abril deste ano.

No Rio, a comunidade do Horto, próxima a uma das áreas mais valorizadas da capital fluminense, em que vivem cerca de 600 famílias, é reivindicada pelo Jardim Botânico, que tenta retomar o terreno em operações de reintegração de posse realizadas por forças policiais.

No Estado de São Paulo, o exemplo mais emblemático de reintegração de posse que terminou em conflito entre ocupantes e forças policiais aconteceu no Pinheirinho, em São José dos Campos (SP), em janeiro de 2012, quando cerca de 9.000 pessoas foram retiradas do terreno. Na operação, que perdurou por três dias, três pessoas foram feridas com gravidade e ao menos 22 foram presas. (Com Agência Brasil)

Fonte: www.uol.com