Publicado em 27/09/2015 as 12:00am

Hulk volta a reclamar de racismo na Rússia e retribui com beijos

Segundo o atacante do Zenit, artilheiro do Campeonato Russo com seis gols, a torcida do Spartak Moscou fez ofensas a ele durante o empate por 2 a 2 nesse sábado.

O brasileiro Hulk, que agradou a Dunga nos amistosos recentemente disputados nos Estados Unidos e garantiu participação no início das eliminatórias para a Copa do Mundo, voltou a reclamar de racismo neste domingo. Segundo o atacante do Zenit, artilheiro do Campeonato Russo com seis gols, a torcida do Spartak Moscou fez ofensas a ele durante o empate por 2 a 2 nesse sábado.

Hulk, no entanto, respondeu às ofensas de forma 'carinhosa '. Ao escutar os xingamentos, acenou e lançou beijos aos torcedores russos. "Infelizmente, as mesmas coisas continuam acontecendo, o racismo nas arquibancadas. Eu não quero prestar atenção a isso, já falei muitas vezes sobre isso. Vou continuar mandando beijos e respondendo a eles com minhas atuações em campo", declarou o brasileiro, autor de um dos gols.

Os atos racistas parecem ser especialidade da torcida da capital Moscou. Em abril, Hulk também já tinha sido vítima de racismo em um jogo contra o Torpedo Moscou, quando foi insultado pelos torcedores da casa, e o clube mandante foi obrigado a jogar duas partidas do campeonato com os portões fechados. Nesta temporada, na rodada de abertura, o ganês Frimpong também acusou a torcida do Spartak de práticas racistas.

Diante dessa nova acusação, agora por parte de Hulk, é capaz que a Federação de Futebol da Rússia (RFU) aprimore as investigações de forma a sugerir punições, uma vez que a torcida é reincidente, e medidas mais severas precisam ser tomadas por conta da proximidade com o Mundial de 2018, cuja imagem não pode ser abalada por ações que evidenciem a falta de ética e respeito no futebol.

Fonte: ESPN