Publicado em 26/10/2015 as 12:00am

PF faz buscas na empresa de um dos filhos de Lula

Empresa tem ligação com a consultoria Marcondes e Mautone, investigada pela PF. Lobista Alexandre Paes dos Santos foi preso nesta manhã

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta segunda-feira uma nova fase da Operação Zelotes, que investiga fraudes no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), ligado ao Ministério da Fazenda. O lobista Alexandre Paes dos Santos foi preso na manhã de hoje. Os agentes também realizaram busca e apreensão na empresa LFT Marketing Esportivo, do filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Luis Claudio Lula da Silva. A empresa, segundo a PF, teria ligação com a consultoria Marcondes e Mautone, investigada pela PF.

Cerca de 100 policiais cumprem 33 mandados judiciais, sendo seis de prisão preventiva, 18 de busca e apreensão e nove de condução coercitiva nos estados de São Paulo, Piauí e Maranhão e no Distrito Federal. Ao todo, os investigadores da Zelotes apuram se envolve corrupção em decisões envolvendo R$ 19 bilhões em impostos. Desse valor, houve prejuízos de R$ 5,7 bilhões aos cofres públicos pelo menos.

A Operação Zelotes começou no dia 26 de março deste ano e esta nova etapa aponta que um consórcio de empresas, além de promover a manipulação de processos e julgamentos dentro do Carf, também negociava incentivos fiscais a favor de empresas do setor automobilístico.

“As provas indicam provável ocorrência de tráfico de influência, extorsão e até mesmo corrupção de agentes públicos para que uma legislação benéfica a essas empresas fosse elaborada e posteriormente aprovada”, informou o comunicado.

Os crimes investigados pela PF incluem tráfico de influência, corrupção passiva, corrupção ativa, associação criminosa, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Na semana passada, a Corregedoria-Geral do Ministério da Fazenda abriu o primeiro processo administrativo disciplinar para apurar responsabilidade funcional de um envolvido na Operação Zelotes. A pasta não informou o nome do conselheiro investigado.

Fonte: uai.com.br