Publicado em 17/12/2015 as 12:00am

STF diz que decisão sobre pedido da PGR para afastamento de Cunha ficará para fevereiro

Rodrigo Janot alegou que presidente da Câmara usa cargo para interesse próprio e fins ilícitos

A decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) sobre o pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pelo afastamento do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) de seu mandato parlamentar e da presidência da Casa ficará para fevereiro, informou o tribunal nesta quinta-feira.

O STF informou, por meio de sua assessoria, que há falta de tempo para analisar o pedido antes do início do recesso, a partir da semana que vem.

Janot afirmou em seu pedido ao STF, apresentado na quarta-feira, que Cunha usa o mandato para interesse próprio e fins ilícitos e que o afastamento é necessário para a garantia da ordem pública e regularidades dos procedimento criminais a que Cunha responde no STF.

Ontem à noite, Janot enviou ao Supremo pediu o afastamento de Cunha tanto da presidência da Câmara como do mandato parlamentar, ou seja, do posto de deputado.

Janot disse em seu pedido que Cunha usa seu cargo para interesse próprio e fins ilícitos e enumera 11 fatos que comprovam que o presidente da Câmara usa seu mandato de deputado e o cargo de presidente para constranger e intimidar parlamentares, réus colaboradores, advogados e agentes públicos, com o objetivo de embaraçar e retardar investigações contra si.

 

Fonte: r7.com.br