Publicado em 26/07/2016 as 8:30pm

Caças da Marinha da frota da Rio-2016 batem e uma delas cai no mar

Marinha faz busca de caça que caiu no mar em Saquarema

A colisão de dois caças da Marinha, durante um treinamento militar, derrubou um deles no mar, na tarde desta terça (26), próximo à Saquarema (RJ), na região dos Lagos. A outra aeronave conseguiu pousar em terra, mas também ficou danificada.

A Marinha abriu um inquérito para apurar o que causou o acidente, que aconteceu quando duas aeronaves AF-1B treinavam ataques a alvos de superfície com a fragata Liberal, a cerca de 100 quilômetros do litoral do município de Saquarema.

De acordo com a Marinha, o piloto do caça que afundou estava sendo procurado por equipes de militares em embarcações e helicópteros, junto com o Corpo de Bombeiros. Em nota, a Força afirmou que houve uma "provável ejeção do piloto", que não foi identificado.

O AF-1B que caiu foi encontrado e uma operação foi montada para retirá-lo do mar. Tanto ele quanto a outra aeronave fizeram parte do programa de modernização de 12 caças da Marinha feito pelo Ministério da Defesa para os Grandes Eventos.

Iniciado em 2012, o projeto pretendia preparar todas as aeronaves para a Copa do Mundo de 2014, mas não conseguiu concluir a preparação em tempo hábil. Elas estavam prontas para atuar na Olimpíada, caso fosse necessário.

Os aviões modernizados cuidariam do controle do espaço aéreo nos Jogos, que terão início em dez dias.

O Ministério da Defesa investiu R$ 790 milhões no programa de modernização destinado à Marinha, à Aeronáutica e ao Exército.

Durante o exercício, ao se afastarem da fragata simultaneamente, para simular uma nova formação de ataque, os dois caças colidiram no ar.

Uma das aeronaves conseguiu retornar e pousar, em segurança, na Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia, a 59 quilômetros de Saquarema, na região dos Lagos.

Em nota, a Força informou que está dando "apoio à família do militar" que caiu no mar e até, às 20h desta terça (26), permanecia desaparecido.

O AF-1B foi projetado para a aviação militar dos Estados Unidos na década de 1950. O modelo da Marinha foi construído no final da década de 1970. Em 1998, o Brasil comprou 23 caças das Forças Armadas do Kwait. Além do Brasil, as forças aéreas da Argentina e de Israel possuem a mesma aeronave.

FORÇA AÉREA

Há 20 dias, uma outra aeronave, essa da Força Aérea Brasileira, caiu em Santa Cruz, na zona oeste do Rio. Os dois tripulantes se salvaram. Na ocasião, eles conseguiram ejetar e pousar em terra, segundo nota da FAB.

A aeronave caiu em uma área desabitada da própria base aérea. Ninguém ficou ferido no acidente. O caça da Aeronáutica também havia sido modernizado pela Força: era F5-FM Tiger. Bombeiros da própria FAB é que chegaram ao local. Um inquérito foi aberto para apurar as causas do acidente.

CONTROLE AÉREO

Desde 20 de julho teve início o controle do espaço aéreo do Rio para a Olimpíada. A Aeronáutica irá monitorar, no dia da abertura do evento, em 5 de agosto, por exemplo, mil pousos e decolagens de aeronaves executivas e cerca de 700 voos comerciais somente nos aeroportos Santos Dumont e Galeão, no Rio. Qualquer aeronave que entre no espaço aéreo delimitado pode ser interceptada e até abatida, o que é considerada pelos militares uma medida extrema e que depende de decisão da presidência da República.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/