Publicado em 1/11/2016 as 8:00am

Especialistas analisam abstenção de Dilma e Lula

Além de ilustrar o mau desempenho do PT na corrida municipal, a postura levanta discussão: abster-se em uma eleição é a atitude esperada de um ex-presidente da República?

Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff optaram por não votar no domingo (30). A razão seria a ausência de candidatos petistas no segundo turno em São Bernardo do Campo (SP) e em Porto Alegre.

Além de ilustrar o mau desempenho do PT na corrida municipal, a postura levanta discussão: abster-se em uma eleição é a atitude esperada de um ex-presidente da República?

O jornal Zero Hora consultou especialistas e políticos e as opiniões divergem sobre a postura dos dois ex-presidentes. Quem critica a postura considera que os petistas demonstraram dificuldade de lidar com a derrota do partido. Como Lula tem mais de 70 anos, para ele o voto é facultativo. Aos 68 anos, Dilma, que viajou a Belo Horizonte para visitar a mãe, teve de justificar.

Para Ricardo Caldas, professor da Universidade de Brasília (UnB), a postura de ambos foi um subterfúgio.

Já o Ministro no governo Lula e favorável ao impeachment de Dilma, o senador Cristovam Buarque (PPS-DF) destacou que a ausência foi um péssimo exemplo.Os tucanos aproveitaram as ausências para fazer provocações.

O senador Paulo Bauer (PSDB-SC) lembrou que Fernando Henrique Cardoso, aos 85 anos, "não foge das urnas" – em São Paulo, onde vota o ex-presidente, a eleição foi definida no primeiro turno, com a vitória de João Doria (PSDB)

.Professor de Ética e Filosofia Política da Unicamp, Roberto Romano concluiu que não valeria a pena para Lula ir até a seção para votar, sabendo que esse gesto não traria votos para seus candidatos pelo país.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br