Publicado em 13/10/2017 as 3:00pm

Evento com Bolsonaro gera polêmica em Revere (MA)

Profissionais relatam que foram impedidos de trabalhar e fotografar o evento.

Evento com Bolsonaro gera polêmica em Revere (MA) Manifestantes do lado de fora do Clube Lido.

O que era para ser um evento político para apresentar os trabalhos do Deputado Federal Jair Bolsonaro para a comunidade brasileira em Massachusetts, acabou se tornando uma grande polêmica. Antes mesmo do início, grupos pró e anti se enfrentaram do lado de fora do Clube Lido, em Revere, e aconteceu uma intensa troca de ofensas e palavrões.

Até ai tudo normal, pois eventos políticos normalmente são acompanhados por manifestos da oposição. Mas o que revoltou foi o fato de algumas pessoas terem sido barradas e impedidas de entrar no local do evento, o qual de acordo com a organização era aberto ao público.

O mineiro Jaconias Dalaberto, 20 anos, disse que saiu de Milford (MA) para prestigiar o deputado e sua comitiva. “Tenho um grande apreço por ele e queria ouvir um pouco de sua história”, fala lamentando o fato de ter sido impedido de entrar.

De acordo com ele, a alegação é que a entrada só era permitida para maiores de 21 anos de idade. “Mas no cartaz divulgado pelos organizadores dizia acima de 18 anos. Foi um completo desrespeito”, continua.

Assim como ele, outros brasileiros não conseguiram entrar devido serem menores de 21 anos e isso gerou uma grande confusão.

O Brazilian Times entrou em contato com Dario Galvão, um dos organizadores do evento. Ele explicou que o cartaz do evento foi confeccionado no Brasil e por isso a idade colocada foi de 18. “Todos sabemos que existe a diferença entre osso país e os EUA. Lá, você é considerado de maior ao completar 18 anos, mas aqui é somente com 21”, disse.

Outra polêmica foi em relação ao trabalho de alguns fotógrafos da comunidade que foram impedidos de fotografar o evento. Um dos profissionais foi obrigado, por seguranças a pedido de uma fotógrafa identificada por Luciana Padilha, a sair do local e guardar sua máquina fotográfica no carro se quisesse continuar assistindo a Bolsonaro. “Foi muito constrangedor e ao mesmo tempo revoltante”, fala ele que pediu para não ser identificado. “Ela disse que somente ela podia fotografar e que era a oficial do evento”, segue.

Novamente, o Brazilian Times procurou Dario para saber o que aconteceu e ele explicou que foi a assessoria de Bolsonaro que solicitou um fotógrafo exclusivo no evento. “Mas eu não acredito, porque alguns dias antes eu conversei com o organizador e ele garantiu minha participação”, disse o profissional.

O que também ficou estranho foi o fato da organização não permitir mais fotógrafos no recinto, uma vez que se tratava de um evento político e público, onde as pessoas podiam fazer perguntas e conversar com o político. Com o bloqueio dos profissionais, poucas pessoas tiveram acesso ás fotos do evento.

Fonte: Redação - Brazilian Times

Top News