Publicado em 26/02/2018 as 2:00pm

Maior traficante de armas para o Brasil é preso nos EUA

Frederik Barbieri é suspeito de fornecer fuzis para quadrilhas do Rio. Ministério da Justiça pediu a extradição dele para o Brasil.

Maior traficante de armas para o Brasil é preso nos EUA O traficante é acusado de enviar 60 fuzis para quadrilhas no Brasil.

O homem que é considerado o maior traficante de armas do Brasil foi preso na Flórida. Frederik Barbieri é acusado de mandar 60 fuzis para o Rio, em junho do ano passado. Essas armas de guerra acabaram apreendidas no aeroporto internacional da cidade.

Há oito anos a polícia procurava Frederik Barbieri. Ele foi preso em casa, na Flórida, por agentes do serviço de imigração e alfândega dos Estados Unidos.
A polícia americana conseguiu impedir que ele mandasse para o Brasil mais 40 fuzis.

Frederik Barbieri era investigado desde 2009. Parte do arsenal encontrado no morro do Alemão, em 2010, teria vindo dele.

No mesmo ano, uma carga de munição, num contêiner em nome do traficante, foi apreendida no Porto de Salvador.

Barbieri fugiu para os EUA e conseguiu a cidadania americana. Em 2015, a Justiça brasileira decretou a prisão por tráfico internacional de armas.

Mas só em junho do ano passado ele entrou para lista de procurados da Interpol. Foi quando a polícia apreendeu 60 fuzis no Aeroporto Internacional do Rio.
A carga estava escondida dentro de aquecedores para piscinas, em contêineres vindos de Miami, com munição e carregadores. A maior apreensão de fuzis da história do país.

E só foi possível porque, na véspera, a polícia interceptou uma conversa telefônica com a autorização da Justiça. Dois homens, investigados por roubo de cargas e tráfico de drogas, estavam preocupados com o atraso numa entrega.

Luciano de Andrade Faria: Beleza, cara. E aí? Alguma novidade?

João Victor Silva Roza: Não sei, estava em greve lá.

Luciano: É, parece que a greve acaba amanhã. Aí, eu liguei ontem, liguei anteontem, pro despachante lá, que tá mais por dentro.

A greve era da Receita Federal. A polícia identificou o despachante e, no dia seguinte, encontrou os fuzis.

Parte das armas seria para a quadrilha do traficante Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, pivô de uma guerra pelo controle do tráfico na Rocinha, em setembro do ano passado, e que está preso.

O Ministério Público Federal denunciou o traficante em julho do ano passado.

Frederik Barbieri foi preso na Flórida.

Os procuradores dizem que, de 2014 a 2017, ele e a quadrilha exportaram e importaram pelo menos 1.043 armas de fogo - fuzis - e quase 300 mil munições de uso restrito, sem a autorização do Exército.

Segundo as investigações, a quadrilha comprou aquecedores de piscina e bombas d’água. Eles desaparafusavam os produtos e tiravam a estrutura de metal interna, aproveitando só a carcaça para esconder as armas.

Os bandidos chegavam a pesar cada aquecedor e cada bomba para garantir que, depois de fechados, os equipamentos tivessem o mesmo peso e não chamassem a atenção da fiscalização.

Frederik Barbieri está numa penitenciária, nos Estados Unidos. E na segunda-feira (26) vai participar de uma audiência num tribunal americano. Ele também é investigado nos Estados Unidos por tráfico internacional de armas. Mesmo assim, o Ministério da Justiça pediu a extradição dele para o Brasil.

O advogado de Frederik Barbieri no Brasil disse que só vai se manifestar quando conseguir contato com a defesa dele nos Estados Unidos.

Fonte: Redação - Brazilian Times