Chegou o Classificado do Brazilian Times. Divulgue ou busque produtos e serviços agora mesmo!

Acessar os Classificados

Publicado em 28/01/2019 as 3:00pm

TRAGÉDIA: "Acabou tudo, não sobrou ninguém", chora sobrevivente em MG

No dia seguinte à tragédia, familiares e amigos acompanham buscas por desaparecidos; em Brumadinho, clima é de medo e confusão.

TRAGÉDIA: Presidente Bolsonaro - Presidente Jair Bolsonaro observa destruição causada após rompimento de barragem da Vale em sobrevoo a Brumadinho. Foto: Isac Nóbrega/Presidência da República / Estadão

"Agora acabou tudo", afirmou Antonio Francisco de Assis Nunes, de 63 anos, produtor rural da região do Parque das Cachoeiras, na periferia de Brumadinho, uma área que foi devastada pela lama da barragem que se rompeu nesta sexta-feira, 25, no município. Chorando e lamentando o estrago nas lavouras, ele contou que naquela área viviam cerca de 20 famílias: "Não sobrou ninguém".

Conhecido como Tonico da Horta, ele acompanhou o drama mais pesado bem de perto. A menos de cinco metros, remexendo a lama que invadiu o barracão sem paredes, um grupo de bombeiros se preparava para resgatar um corpo feminino da borda. "Olha isso, deve ser gente que veio arrastada."

A lama mole devastou a baixada usada para plantio de frutas e legumes e avançou sobre o galpão de selecionar a produção agrícola, destruindo tudo e entrando pelo prédio. Tonico da Horta nem viu quando o corpo foi colocado dentro de uma caixa de plástico, envolto num saco preto, e retirado de helicóptero pelos Bombeiros. Era o resgate de mais uma das dezenas de vítimas ainda desconhecidas.

Foto: Cadu Rolim/Fotoarena / Estadão.

 

"Uns 300 metros daqui, já localizamos outros quatro corpos", afirmou o socorrista que vasculhava, numa equipe de quatro bombeiros, as bordas da lama e ia marcando os pontos de cadáveres. Logo adiante, um outro helicóptero acabara de içar outra vítima.

"Estamos neste local há umas duas horas e já localizamos quatro pessoas", afirmou o bombeiro. Eram 16 horas. Pouco antes de uma forte chuva que despertou temor na região, pelo menos mais dois cadáveres tinham as coordenadas definidas para recolhimento.

A devastação provocada pelo rompimento da barragem foi acompanhada de perto também pelo morador João Moreira do Carmo, de 63 anos. "Eu vi a lama descendo", contou. "Ela desceu arrastando tudo."

Auxiliar técnico de manutenção da Vale, Wilson Pereira de Souza estava com a família em um clube, a cerca de 800 metros do local do rompimento, na hora do acidente. "Subiu um poeirão lá", disse. "Isso não é normal", imaginou, ao correr com a filha procurando um local mais alto. "Eu sabia que aquilo estava errado."

Fonte: Redação Braziliantimes