Publicado em 8/03/2010 as 12:00am

'Guerra ao terror' derrota 'Avatar' e é o vencedor do Oscar

Longa de Kathryn Bigelow faturou prêmios de melhor direção e filme. Jeff Bridges e Sandra Bullock são eleitos melhor ator e atriz.


O longa-metragem “Guerra ao terror” derrotou a superprodução "Avatar" e foi consagrado com seis Oscars na noite deste domingo (7), em Hollywood. O longa-metragem de Kathryn Bigelow, que concorria a nove estatuetas, venceu nas categorias melhor filme, direção, roteiro original, montagem, edição de som e mixagem de som. É a primeira vez que uma mulher vence o Oscar de melhor direção.

"Não há outra maneira de descrever isso: é o momento da minha vida", disse Bigelow no palco - a diretora é ex-mulher de James Cameron, seu principal rival na noite de domingo. 

Bigelow, que é a quarta mulher na história a ser indicada para o Oscar de direção, dedicou o prêmio "aos homens e mulheres do exército" que lutam no Iraque e no Afeganistão. "Que eles possam voltar para casa sãos e salvos." 

"Avatar", que dividia com "Guerra" a liderança na disputa, levou para casa três estatuetas, todas de categorias técnicas: melhor direção de arte, fotografia e efeitos visuais. "O que nós fizemos com 'Avatar' foi pegar coisas que estão aí fora no mundo diariamente e torná-las maiores, mais brilhantes. Toda nossa inspiração veio do mundo real, e eu queria encorajar as pessoas a saírem e olharem para elas", disse o diretor de efeitos visuais Loe Letteri, ecoando as mensagens ecopacifistas da fantasia épica de James Cameron. 

'Bêbado' e sentimental

Indicado quatro vezes ao Oscar no passado, Jeff Bridges finalmente venceu o prêmio de melhor ator por seu papel no longa-metragem “Coração louco”.

Ao receber a estatueta das mãos de Kate Winslet, Bridges agradeceu aos pais, mortos recentemente.  "Obrigado, mãe e pai, por fazerem eu me interessar por uma profissão tão bacana. Ó, meu pai e minha mãe, eles gostavam tanto do showbiz... sinto-me uma extensão deles. Sabe, isso é uma honra tanto para eles quanto para mim", disse o ator, estendendo os agradecimentos à equipe do filme. "Que maravilha que vocês trouxeram o seu coração para esta produção", completou.

História de um cantor country bêbado e decadente, "Coração louco" havia sido indicado para outros dois prêmios, dos quais acabou levando também o de canção original, por "The weary kind".

A melhor... e a pior atriz

Aos 20 anos de carreira, Sandra Bullock venceu o Oscar de melhor atriz com sua primeira indicação por "Um sonho possível". Ela dedicou o prêmio às suas concorrentes na categoria, as novatas Carey Mulligan e Gabourey Sibide e as veteranas Helen Mirren e Meryl Streep - "que sabe beijar muito bem", disse. Em janeiro, as duas deram um beijo na boca no palco do Critics' Choice Movie Awards.

A atriz de 45 anos recebeu a estatueta das mãos de Sean Penn e chorou ao agradecer a familiares e amigos que a apoiaram ao longo da carreira. "Obrigada por me lembrarem que todos nós merecemos amor", disse Bullock, que apenas um dia antes havia sido eleita pior atriz no prêmio Framboesa de Ouro por seu papel na comédia romântica "Maluca paixão".

Coadjuvantes

Entre os atores coadjuvantes, saíram vitoriosos o austríaco Christoph Waltz, vilão nazista de “Bastardos inglórios”, e Mo’Nique, de “Preciosa”.

Favorito na categoria, Waltz garantiu a única estatueta do filme de Quentin Tarantino, que estava indicado em oito categorias no total, incluindo melhor filme e direção. 

O ator recebeu a estatueta das mãos de Penélope Cruz e agradeceu especialmente a Tarantino , a quem chamou de "explorador de métodos não-ortodoxos". “Isto é pelo seu abraço de boas-vindas. Não sei como agradecer”, disse Waltz, que também brincou com o fato de estar recebendo o troféu das mãos da bela atriz espanhola. "Oscar e Penélope, isso sim é um über-bingo!"

Com mais seriedade, Mo'Nique agradeceu por ter sido escolhida como melhor atriz coadjuvante. "Gostaria de agradecer à Academia por mostrar que [a vitória] pode vir do desempenho e não da política", disse. “Às vezes temos que esquecer o popular e fazer o que é certo.”

Mo'Nique é a quinta atriz negra a vencer uma estatueta, após Hattie McDaniel, Whoopi Goldberg, Halle Berry e Jennifer Hudson. A comediante de 42 anos, que interpreta a mãe da protagonista de "Preciosa", já tinha vencido prêmios considerados prévias do Oscar, como o Globo de Ouro e o SAG. O longa também venceu o Oscar de melhor roteiro adaptado.


Fonte: (G1)