Publicado em 22/01/2008 as 12:00am

Filho de brasileira provocou tigresa antes de ser devorado

Um dos dois amigos que se encontravam com o luso-brasileiro morto em um jardim zoológico norte-americano confessou ao pai da vítima que os três jovens gritaram e acenaram ao tigre antes do ataque, afirma o pedido de mandato de busca enviado a um tribunal

Um dos dois amigos que se encontravam com o luso-brasileiro morto em um jardim zoológico norte-americano confessou ao pai da vítima que os três jovens gritaram e acenaram ao tigre antes do ataque, afirma o pedido de mandato de busca enviado a um tribunal pela polícia que investiga o caso.

Segundo o documento, Paul Dhaliwal, de 19 anos, estava alcoolizado quando o animal saltou de sua jaula e matou Carlos Sousa Júnior. O rapaz admitiu ter se colocado de pé no parapeito do recinto do tigre, mas negou que tivessem atirado objetos que pudessem provocá-lo.

O rapaz admitiu ter se colocado de pé no parapeito do recinto do tigre, mas negou que tivessem atirado objetos que pudessem provocá-lo.

O pedido de mandato judicial, citado pelo jornal San Francisco Chronicle, visa ao acesso aos celulares e ao carro usados pelos três rapazes.

A solicitação se baseia em múltiplos relatos de que um grupo de jovens freqüentemente provocava animais no jardim zoológico, afirma o jornal.

Os resultados do teste de embriaguez efetuado em Paul mostraram que o nível de álcool em seu sangue depois do ataque era de 0,16% - o dobro do limite estabelecido. Kulbir Dhaliwal, seu irmão de 23 anos, tinha 0,04% e Carlos Sousa Júnior, 0,02%, diz a inspetora Valerie Matthews, que assina o pedido de mandato.

Segundo a agente, os três tinham vestígios de maconha no organismo.

Carlos Sousa Júnior, 17 anos, foi morto por uma tigresa no jardim zoológico de São Francisco, no dia de Natal, e era filho de pai português e mãe brasileira, ambos imigrantes nos Estados Unidos.

Fonte: (folha on line)