Publicado em 19/03/2008 as 12:00am

Sonegação leva brasileiros para a cadeia em Connecticut

Renata, Mônica, Nirlande e Andréia foram presos depois de uma intensa investigação que apontou a lavagem de mais de 22 milhões de dólares

Da redação

 

As proprietárias da RM Insurance Services, uma empresa de seguros estabelecida na cidade de Danbury-Connecticut, foram presos por agentes federais sob acusação de participarem de um forte esquema de lavagem de dinheiro. Segundo as investigações, cerca de 10 milhões de dólares (aproximadamente 17 milhões de reais), são frutos de transações entre o Brasil e os Estados Unidos, sem serem declarados.

As brasileiras Renata Amaral e Mônica Teixeira, proprietárias do escritório, foram presas no incício desta semana e os agentes retiraram do local uma dúzia de caixas com documentos e provas das acusações.

De acordo com os documentos apresentados, as duas foram indiciadas por lavagem e transferência de dinheiro ilegalmente para o Brasil.

As investigações tiveram início em agosto do ano passado depois que um agente do IRS se apresentou à Renata como sendo um traficante de drogas e que precisava enviar uma grande quantidade de dinheiro para um banco no Texas. Ela, segundo os investigadores, disse "que não havia problema e que faria a transação".

Segundo o agente, Amaral se reuniu com Teixeira e, em setembro, as duas encontraram o suposto traficante que tinha em seu poder $100 mil (cerca de 170 mil reais). As duas estavam somando o quando Renata disse que o dinheiro estava com cheiro de maconha e recomendou ao traficante que usasse algum tipo de perfume para disfarçar o cheiro.

Também consta nos documentos de acusação, que durante a contagem do dinheiro, Amaral havia dito ao agente disfarçado para que ele "orientasse aos seus clientes para fumar mais maconha para fazer mais dinheiro".

Recentemente Renata havia se unido a um grupo de imigrantes para protestar contra uma medida que promovia a parceria entre policiais de Danbury e agentes do Immigrantio and Customs Enforcement ?ICE. Ela, durtante os manifestos, disse a lei poderia criar medo na comunidade e "que as autoridades deveriam se prepocupar com crimes mais graves tais como tráfico de drogas e fraudes".

Jessica Crocker, funcionária da divisão de investigação do IRS, apresentou documentos provando que as brasileiras haviam transferido para o Brasil $9,8 milhões entre o mês de março de 2006 e fevereiro de 2008.

Nos documentos consta ainda que elas utilizaram o mercado negro para fazer a transação e que conseguiram enviar o dinheiro sem que o governo norte-americano detectasse o envio, burlando assim a cobrança de taxas.

Segundo Jessica este sistema que elas utilizaram é usado por algumas empresas brasileiras e que ao enviar produtos para o Brasil tentam fugir das tarifas cobradas pelo governo brasileiro.

O presidente do Comitê Democrata de Danbury, Josheph DaSilva, disse que ficou chocado com a notícia, pois Amaral era uma pessoa bastante envolvida em ações sociais e que ela era uma pessoa bastante inteligente.

Já o porta-voz do Department of Motor Vehicles (órgão semelhante ao Detran do Brasil), Willian Seymour declarou que a RM Insurance vinha sendo investigada por agentes do estado devido usar uma brecha na lei para registrar veículos cujos motoristas não possuiam carteira de motorista de Connecticut.

Ele explica que este serviço não é ilegal, mas os funcionários da RM ajudavam seus clientes a criar uma Sociedade Anônima e em seguida utilizava as coorporações criadas para registrar os veículos.

Renata e Mônica foram liberadas depois de pagamento de uma fiança estipulada em $500 mil e aguardarão em liberdade o desfecho do processo. O juiz determinou que elas fiquem em prisão domiciliar e usem uma tornozelera com chip para monitoramento eletrônico.

 

RAMIFICAÇÕES

O brasileiro Nilander e Andréia Oliveira, da cidade de Bridgeport, também em Connecticut, foram presos e estão sob investigação de participarem do mesmo esquema de lavagam de dinheiro. Eles são proprietários da BrazUsa e segundo as denúncias havia uma placa na frente da loja indicando parceria coma RM.

Somado os quase 10 milhões sonegados pela RM às transações da BrazUsa, estima-se que os brasileiros movimentaram média de 22 milhões de dólares sem pagar os devidos impostos aos governos estadunidenese e brasileiros.

Fonte: (NEWS TIME)