Publicado em 3/04/2008 as 12:00am

Analista americano ajuda brasileiro a renegociar dívida imobiliária

Cálculos matemáticos atestam "Juros pós-fixados inviabilizam a quitação da casa própria"

Por Elizabeth M. Simões

 

Com a crise do mercado imobilário nos Estados Unidos, centenas de mutuários perderam seus imóveis devido ao aumento de juros nas parcelas, entre outros fatores que fizeram aguns brasileiros perderem as suas propriedades. O housecleaner Trajano Silva, 47 anos, afetado por esse golpe financeiro, consultou diversos analistas para tentar impedir que a sua casa fosse tomada pelo banco. Ele obteve sucesso na negociação e contou ao jornal Brazilian Times como conseguiu driblar a especulação imobiliária.

Desconhecendo alguns ítens do contrato de compra e venda, mas acreditando que houvesse uma solução razoável, Trajano procurou os serviços do escritório "All City Group", representado pelo analista Derek LeVangie. "A primeira providência foi a reavaliação dos termos contratuais de Trajano. Acredito que, devido a falta de fluência no idioma inglês, algumas pessoas que se habilitam a ajudar na renegociação da dívida acabam tirando vantagem nos casos", disse o analista.

Trajano explicou como Derek conseguiu reduzir uma parcela de $5.500 para $4.100, valor próximo do primeiro pagamento realizado no início da compra. "Não foi um bicho de sete cabeças e não precisei juntar milhares de documentos e outras exigências que bancos e financeiras pediram anteriormente. Com o City Group, meu contrato foi revisto e reajustado com juros pré-fixados no lugar de juros compostos", explicou ele.

Os juros compostos, chamados de pós-fixados, são taxas usadas para correção constante, sendo gradativa e acumulativa. "As taxas eram reajustadas a cada seis meses de 6% para 12% e isso estava colocando Trajano em uma situação financeira apertada", disse Derek.

Em contato com o banco que financiou o imóvel, Derek argumentou que era inviável o pagamento total da dívida no atual crescimento da taxa e concluiu que, submetidos a essas condições, eles jamais teriam a chance de quitar o valor final. "Essa situação não acontece por culpa de Trajano ou sua condição financeira. Qualquer pessoa estaria sujeito a isso mediante as aplicações incoerentes das correções", argumenta Derek.

Feita a análise, Derek propôs uma modificação nas cláusulas contratuais de reajuste e acertou a redução da taxa para quase 6%, poupando aproximadamente $1,400 por mês.

Segundo justificativa, "as companhias de Mortgage não visam tomar o imóvel de ninguém. Nessa operação eles perderiam muito mais do que na revisão da dívida", explicou o analista.

Em 2007 as companhias anunciaram prejuízos de bilhões de dólares em razão das quebras contratuais.

Questionado sobre a possibilidade de ajudar outros brasileiros em situação semelhante, Derek respondeu que, primeiramente checará as possibilidades de redução da taxa e refinanciamento do débito. "Caso isso não venha ser possível, tentarei negociar diretamente com a financeira para modificar o plano de pagamento", fala o analista.

Trajano comenta que a All City Group  atuou com honestidade e respeito e acredita que a meta da empresa é ganhar boas referências no mercado e fidelizar os clientes.

O escritório de Derek está localizado na região de South Shore, em Massachusetts. Para obter mais informações, basta ligar para All City Group no telefone (781) 303-0888.

Fonte: (Brazilian Times)