Publicado em 3/04/2008 as 12:00am

Brasileiro de MA preso por ajudar amigo a obter carteira de motorista em Maine

Guilherme Malaquias, que reside em Newton, aguarda decisão da Corte norte-americana

Um brasileiro acusado de levar um imigrante ilegal de Massachusetts à Maine para obter uma carteira de motorista aguarda audiência nesta quinta-feira na District Court. Guilherme Malaquias, 23, de Newton, MA, alegadamente levou um amigo brasileiro, Marison Celante, 19, ao estado de Maine para obter o documento, onde foram detidos no dia 20 de Março, na cidade de Portland.
Diferentemente da maioria dos estados, Maine não exige nenhuma prova de cidadania ou status no país. O Legislativo está para votar uma alteração à lei e exigir prova de residência legal.

O caso de Malaquias é semelhante ao de uma brasileira de New Jersey, que foi detida a um mês, na agência da Motor de Veículos em Augusta, depois de ter supostamente ajudado duas mulheres em Maine a obter driver's licenses. Segundo o tribunal de registros, Anderson Dos Santos, 30, disse que funcionários de Maine são conhecidos entre os brasileiros por serem liberais nas regras para a emissão de licenças.

Um agente federal da imigração alega que Malaquias, cujo visto turístico expirou há quase dois anos, tem supostamente transportado outros imigrantes ilegais em viagens de Massachusetts para Maine para obter licenças.

Malaquias tinha obtido uma licença em Novembro de 2006, usando uma caixa postal como endereço, de acordo com uma declaração escrita, apresentada por Brian Featheringham, um alto representante especial da Imigração e Alfândega, em Portland.

Malaquias pode pegar até cinco anos de prisão e uma multa de até US$ 250,000 se condenado por transporte de imigrantes ilegais para obter documentos.

Don Cookson, porta-voz do secretário de Estado do Maine, disse que o Estado já tomou medidas para combater a fraude. Ele observou que uma lei de 2005 tornou ilegal a utilização de vistos vencidos ou outros documentos como prova de identificação.

Cookson observou que a medida já antes aprovada iria verificar se o imigrante tinha residência no estado, não pedindo status imigratório. Ele disse que esta não é a função dos funcionários do estado, determinar se uma pessoa está ou não legalmente no país.

Fonte: (immigrations news)