Publicado em 17/04/2008 as 12:00am

Brasileiro compõe batalhão que segue para o Iraque

Grupo tem a missão de reconstruir bases navais nas áreas de combate

Nos últimos 10 minutos antes dele marchar para a guerra, Deivis Carnieri não pára de beijar sua filha, Isabella, de 6 meses de idade. "Não vou poder vê-la dar o seu primeiro passo", disse Carnieri, uma construtor mecânico, que será enviado ao Iraque por um prazo de seis meses, na província de Anbar juntamente com 200 outros membros da Construção Naval Móvel Norte-Americana, sitiada em Port Hueneme.

O batalhão passou os últimos 10 meses recebendo treinamento avançado de construção, assim como uso de  armas e instrução de combate. Os soldados provavelmente fará construção numa base da Marinha. O grupo está também treinando membros do exército iraquiano na construção mecânica e trabalho naval.

Como muitos dos homens e das mulheres na sua unidade, Carnieri tem se preparado para o momento da despedida, e o início da manhã da partida foi misturada com ansiedade, tristeza e de última hora abraços.

Carnieri, que espera em breve ser promovido a sub-oficial, tentou aliviar o humor ao brincar com a sua esposa, Yvonna, dizendo que talvez ela poderia manter seu bebê no colo e deixar ela aprender a andar só quando ele voltar.

 

Ao longo das últimas semanas, como o seu batalhão em aguardo, o jovem tentou ficar junto com sua família o maior tempo que pôde.

A Marinha tem sido "muito boa sobre não manter-nos muito ocupados ultimamente", disse Carnieri, o brasileiro, que recentemente se tornou um cidadão americano.

O Comandante Kirk Lagerquist entende a dificuldade do brasileiro em deixar a família. Ele támbem deixou um bebê de 3 meses de idade em casa.

Mas, embora houvesse tristeza por deixar a família para trás, Lagerquist também vê com entusiasmo a oportunidade de finalmente começar a testar a formação do batalhão, que tinha concluído nos 10 meses desde a sua última deslocação.

Os homens e as mulheres em seu comando pareciam concordar. "Estou pronto para tudo", disse o oficial Steve Hahn "Estou cansado de esperar. Tem sido quase um ano," completou.

Vestido com seu uniforme camuflado, o sub-oficial Robert Trisby despediu-se de sua filha de 2 anos, Tyrses, enquanto seu filho, Tayshaun, 4, abraçava sua perna.

Embora este seja o sua terceira implantação, é o primeiro em zonas de combate, bem como o perigo pesa um pouco mais sobre a sua esposa, Yukino, disse Trisby, que serve a Marinha norte-americana por 16 anos.

Enquanto abraçava os filhos, Yukino tentava se mostrar firme na partida do marido. Seus filhos estavam sorridentes. "Eles simplesmente não se compreendem realmente", disse ela.

Trisby, disse o sacrifício e os riscos da operação são dignos dela. "Estamos  fazendo uma coisa que é justo, algo que você pode se sentir orgulhoso de fazer parte", disse ele.

Fonte: (www.venturacountystar.com)