Publicado em 8/05/2008 as 12:00am

Casamentos por conveniência estão na mira da imigração

Brasileira vive "o inferno" depois que realizou um casamento "arranjado"

 

Da redação

 

No ano de 2007, o que parecia ser a realização de um sonho na vida da carioca N.R. de 40 anos de idade, acabou se tornando um "inferno". Ela casou-se, de véu e grinalda, em uma igreja na cidade de Miami-Flórida. Mas quase um ano depois, ela não sente muita alegria em comemorar um ano de casada e ainda quer manter distância do marido.

Ela mal o conhece e o único contato que entre o casal é quando ele a procura, por telefone, para pedir dinheiro. Isso porque o casamento foi arranjado e a brasileira casou-se apenas para obter o Green Card. "Estou sofrendo com a ganância deste americano", fala ela em realação aos problemas que está atravessando devido ao seu "príncipe encantado ter virado sapo".

Depois que a imigração iniciou uma intensa fiscalização para prender e deportar imigrantes que vivem nos Estados Unidos de forma ilegal, o casamento se tornou o caminho mais procurado para a obtenção do Green Card. Não existem dados de quantos casamentos arranjados são realizados anualmente, mas o Departamento de Segurança Nacional admitiu que a situação está fora de controle. Diante disso ficou estabelecido maior rigor na aprovação de certid~çoes de casamento entre americanos e estrangeiros.

James Sparrow, chefe de uma unidade do Immigrantion and Customs Enforcement-ICE que cuida de casos de fraude, afirmou que os casamentos arranjados é tão forte que já possui um esquema internacional e se tornou um negócio extramente lucrativo. Ele conta que existem redes especializadas em promover o casamento entre norte-americanos e pessoas de outros países em troca de volumosas quantias.

Conforme um relatório publicado recentemente por agências do governo deste país, os imigrantes pagam valores que variam entre cinco a 60 mil dólares.

A brasileira, que sonhava em se legalizar através do casamento, disse que está arrependida e que "a vidsa se tornou um inferno depois que deu entrada nos papéis de legalização". Ela lembra que o marido, no início era amável e cordial e aceitou de pronto a proposta de receber $12 mil para casar-se com ela, valor este dividido em quatro parcelas. "Ele disse que estaria pronto a fazer qualquer encenação para provar aos agentes da imigração que o casamento era verdadeiro e foi dele a idéia de casarmos na igreja", fala.

Mas depois de casados e após dar entrada na documentação, o marido passou a ameaçá-la pedindo mais dinheiro e até sexo em troca do silêncio. Ela disse que não está mais aguentando a pressão e que está buscando ajuda para resolver o problema. N.R. ainda deve 3 mil ao marido forjado. "Tenho medo de que ele não apareça na entrevista final na Imigração", acrescenta.

O drama desta brasileira é comum entre muitos imigrantes que tentam conseguir o Green Card através do casamento armado. Em Boston-Massachusetts, existem informações de que muitos casamentos entre norte-americanos e imigrantes são feitos de maneira arranjadas e na maioria das vezes termina em perseguição. Isso porque o cidadão se dá conta de que ele pode extrair muito mais do ilegal, sob ameaça de denunciá-lo à uma provável deportação.

Apesar de as mulheres imigrantes eram as vítimas mais frequentes, muitos homens passam pelo mesmo problema. O imigrante ilegal, constantemente com medo de ser descoberto por agentes da Imigração, acabam cedendo às chantagens e pagando até mais do que devia.

Fonte: (fonte: acheiusa.com)