Publicado em 19/05/2008 as 12:00am

Colunista das estrelas brilha no Press Award

Wolfgang Tomich recebe troféu e se emociona com homenagem

 

Por Elizabeth M. Simões

 

O colunista do Brazilian Times, Wolfgang Tomich foi agraciado com o troféu Newspaper boy, durante a cerimônia de premiação do Press Award 2008, que aconteceu em Fort Lauderdale-Flórida, dia 08 de Maio. Há quatorze anos fotografando artistas e anônimos, o mineiro que já completou 32 anos de "América" foi reconhecido por sua coluna social.

Sem querer inverter os papéis e ser descoberto na sua grande noite, ele tentou passar despercebido, mas não conseguiu, foi entrevistado pela equipe de reportagem do Brazilian Times e passou para o outro lado da lente.

 

BT: Quais foram os flashs e personalidades que mais lhe fascinaram?

Tomich: Sempre me sinto muito motivado em clicar todos aqueles que estão circulando nos eventos, esse é um hábito que faço com muito entusiasmo. Mas posso destacar que as corridas de fórmula Indy sempre me deixaram bem alertas. Tive a oportunidade de fotografar grandes nomes das pistas, entre eles Hélio Castroneves, Mauricio Gugelmin e Felipe Massa.

 

BT: Quais foram as reações mais estranhas ou inesperadas?

Tomich: A noite reserva histórias intrigantes e engraçadíssimas. Tem muitas delas para contar, mas vou comentar a minha surpresa ao conhecer a atual apresentadora do SuperPop, Luciana Gimenez. Logo depois do nascimento de Lucas Jagger, filho do Rolling Stone Mig Jagger, a modelo recebeu propostas financeiras invejáveis para aceitar o assédio da imprensa. Isso aconteceu numa fase em que ela esquivava-se de tudo e de todos. Mas, no meio de um evento aqui nos EUA, ela me reconheceu, fez um monte de perguntas e demonstrou profundo interesse pela publicação do BT. Fiquei desconfiado e quase incrédulo na maneira como ela conversou abertamente comigo e deixou ser clicada. Enquanto todos os jornalistas de plantão queriam passar alguns segundos do lado da modelo, eu consegui quebrar o silêncio e a privacidade de Gimenez sem precisar de nenhum esforço. Ela simplesmente abriu o sorriso e o coração pra mim.       

 

BT: Qual foi o maior mico da sua carreira?

Tomich: Uma brasileira charmosa e popular chamada Morgana estava de partida para outro estado. Eu investiguei a razão da mudança e descobri que ela estava indo embora na companhia do seu novo namorado. Fotografei o rapaz e preparei a seguinte legenda: Esse é o novo bofe! Mas a legenda foi invertida com a fotografia do novo cônsul de Boston. Resultado, a capa do BT dizia que o cônsul, Mário Vilalva era o novo bofe do pedaço. (risos). Depois de esclarecer a troca de legendas, o cônsul enfrentou a trapalhada com bom humor e tornou-se um amigo da redação.  

 

BT: Como você criou o estilo da sua coluna?

Tomich: Sempre admirei o colunista Wilson Fradi, do jornal "O Estado de Minas Gerais", ele tem talento e mais de quarenta anos de experiência. Ler as colunas dele ajudou na minha concepção de como articular texto e imagem com harmônia.  

 

BT: Como nasceu o colunista das estrelas?

Tomich: Eu estava sempre no BT. Levava as propagandas dos cantores que iam à churrascaria e casa de shows Ipanema, além de conhecer toda agenda de eventos e artistas que se apresentavam nos palcos. Também fiz parte do Lions Group e mantenho até hoje um enorme entrosamento com toda a comunidade. Essa facilidade no meio social chamou a atenção do colunista do BT, Alain de Paula, que me convidou para assinar uma coluna no BT.    

 

BT: Se pudesse escolher imediatamente: O quê ou quem você escolheria fotografar agora?

Tomich: Tenho planos de cobrir o carnaval no Rio de Janeiro. Fico sonhando como seria presenciar a reação dos imigrantes de volta ao Brasil e sambando na Sapucaí.

 

BT: Como você se sentiu depois de receber o maior prêmio de reconhecimento da mídia internacional, o cobiçado "Newspaper Boy"?

Tomich: Foi muito gratificante participar de uma homenagem tão bonita. Gostaria de destacar também a receptividade de Edilberto Mendes e Valdivino, eles foram totalmente carismáticos comigo. A minha ida à Flórida foi muito intensa e feliz.  (Embora o depoimento do colunista tenha sido calmo e racional, os repórteres do BT flagraram-no logo após a cerimônia de entrega do troféu e testemunharam a sua expressão emocionada, quase derramando lágrimas. Ele ainda disse, "Nunca imaginei que a premiação faria eu perder o folego desse jeito, foi incrível". Tomich não quis dar o braço à torcer e assumir que ele era a notícia)

Fonte: (Brazilian Times)