Publicado em 20/05/2008 as 12:00am

Pais se preoucpam com hábitos alimentares de seus filhos

Um costume alimentar dos norte-americanos está invadindo os lares brasileiros e cada dia se torna mais visível.

Luciano Sodré

 

Um costume alimentar dos norte-americanos está invadindo os lares brasileiros e cada dia se torna mais visível. Trata-se do "fast food", que oferece inúmeras opções alimentares, tais como hambúrgueres, batatas fritas, massas e pizzas, e vem se tornando o hábito dos filhos de brasileiros. Isso tem gerado grande preocupação, pois "além de constituir excesso de gordura na alimentação, este tipo de comida pode levar à obesidade". Isso é o que afirma alguns nutricionistas.

Diante do problema, alguns pais estão procurando profissionais capacitados para orientá-los quanto à maneira correta de controlar o hábito alimentar de seus filhos, sem criar atritos. "Não adianta proibir, pois eles acabam comendo estas porcarias na escola ou na casa de amiguinhos", salienta o paraense Osório Pereira, 42 anos.

Ele disse que desde pequeno, seu filho adora comer batata frita e pizza. "Na minha família não há registro de pessoas obesas, mas meu filho, com apenas 12 anos de idade, pesa mais de 70 quilos", se prepocupa.

Assim como Osório, outros brasileiros vivem a mesma situação. É o caso do goiano Flávio Dias, 37 anos, que esteve conversando com a equipe de reportagem do jornal Brazilian Times e assegurou que é praticamente impossível controlar o hábito alimentar das crianças, "principalmente aqui neste país onde o fast food é tão comum".

Ele aponta como solução, os brasileiros procurarem especialistas para receberem orientações e conseqüentemente ficar capacitado para controlar o hábito alimentar de seus filhos de forma educativa. "Nós temos que mostrar para as nossas crianças o que uma comida assim pode causar ao organismo e não proibi-las de comer", complementa.

A paulista de Sorocaba, Carla Favaretto, 26 anos, pensa da mesma maneira, e afirma que desde cedo, as crianças devem receber educação sobre como se alimentar de maneira correta e sadia. Ela trabalha na Churrascaria Rodeo, em Woburn-Massachusetts, e por isso, recorre pouco à comida "fast food".

Para justificar a mudança de hábito alimentar dos brasileiros que vivem nos Estados Unidos, ela explica que se deve à correria do dia-a-dia e a necessidade de uma alimentação rápida para não perder a hora de trabalho. "Eu tenho alguns amigos que se alimentam, na maior parte do tempo, de comidas rápidas e eles vivem reclamando de problemas de saúde", fala.

Apesar de não ter filhos, ela ressalta a importância dos pais conviverem mais tempo com suas crianças e assim orientá-los sobre a alimentação certa.

 

EXPERIÊNCIA

O site www.physicalfitnessarticles.net, especializado em nutrição e assuntos relacionados à saúde, relata alguns perigos escondidos na alimentação "fast food" registra e uma experiência realizada para tentar entender qual a reação deste tipo de alimentação no organismo humano.

Um documentário intitulado "Super Size Me", mostra o realizador Morgan Spurlock descobrindo o que realmente uma comida fast food é capaz de provocar nas pessoas. Durante a experiência, ele passou por diversas cidades dos Estados Unidos, alimentando-se apenas nas lojas do McDonald´s. Isso foi feito durante um mês.

Antes de iniciar esta "aventura", ele realizou exames médicos e ficou constatado que ele estava em perfeito estado de saúde. Mas durante a viagem o seu quadro foi alterando drasticamente. No relatório apresentado por ele, relatava-se que começou a sentir dores no peito, dificuldade para respirar, entrou em depressão, sofreu de insônia e ao final de 30 dias engordou 12 quilos.

Alguns nutricionistas que acompanharam o andamento desta experiência, afirmaram que "A fast food é chamada de conveniente, tanto para quem come quanto para o fabricante. Desta forma, o valor nutricional do produto é sacrificado em detrimento dessa conveniência".

Segundo o relatório apresentado, após a experiência, para devolver o sabor perdido no processamento dos ingredientes, são adicionadas grandes doses de gorduras, açúcar e sal. "Mas é sabido que em excesso, estes ingredientes provocam as seguintes consequências: as gorduras saturadas usadas neste tipo de produto aumentam os níveis de colesterol, provocam coágulos nas artérias e elevam o risco de doenças coronárias; o excesso de açúcar na comida de plástico é motivo de grande preocupação. Não só pelo reconhecido impacto na saúde dentária, mas também pela sua ligação direta com a obesidade, com as doenças cardiácas e até com o cancro; finalizando, o sal em demasia é responsável, em grade parte, pelo aumento da pressão arterial e eleva o risco de ataques cardíacos", fala Morgan Spurlock.

Para tornar os fast foods uma prática saudável, a dica é não exagerar. Se no dia-a-dia a criança tem um hábito alimentar saudável e o consumo de Fast Foods for esporádico e equilibrado, certamente esses alimentos contribuirão apenas com sabor e prazer.

Fonte: (Brazilian Times)