Publicado em 27/05/2008 as 12:00am

Autoridades estão preocupadas com tráfico de medicamentos brasileiros nos EUA

Prisão de brasileiros em Marlborough acende preocupações de autoridades norte-americanas

DA REDAÇÃO

 

 

Na semana passada, a polícia de Marlborough-Massachusetts, prendeu três brasileiros envolvidos no tráfico de medicamentos. Segundo as informações divulgadas, foram encontradas 10 mil pílulas para emagrecimento, oriundas do Brasil. Os responsáveis pelo material apreendido era Eron S. Alves, 33 anos, sua esposa Neusa Bento, 48 e a sogra Maria Aniz, 69. todos foram presos e a primeira corte foi marcada para dia 23 de junho.

As autoridades, diante desta prisão, começaram a ficar mais atenta aos medicamentos comercializados de forma irregular neste país. Segundo as informações, maioria das pílulas para emagrecer saem do Brasil e chegam até seus distribuidores nos Estados Unidos, através do correio.

O detetive Robert Jusseaume disse que existem outras pessoas comercializando este tipo de produto para emagracer, "e nenhum deles possui autorização da U.S. Food and Drugs, órgão norte-americano responsável pelo setor de saúde deste país.

Uma intensa fiscalização será efetuada nas encomendas que chegarem aos Estados Unidos vindas do Brasil. "Algo precisa ser feito para conter este tipo de crime que coloca a vida das pessoas em risco", comenta um policial.

Mesmo com a prisão destes três brasileiros, o comércio de medicamentos brasileiros, destinados ao emagrecimento continua forte. Segundo uma housecleaner, que pediu para ter seu nome omitido, existe na cidade de East Boston uma "farmácia" escondida em um basement, a qual vende diversos tipos de remédios sem autorização do governo estadunidense.

Ela disse que comprou um remédio para emagrecer por $150.00 e conseguiu perder sete quilos em menos de três meses. "Eu não vejo problema algum nos medicamentos", fala salientando que o único erro é não haver licença para o produto. "Eles não fazem mal à saúde", conclui.

A polícia acredita que existam milhares de pilulas no "mercado negro", as quais precisam ser tiradas de circulação. Daí a necessidade de uma forte fiscalização nas encomendas vindas do Brasil. Mesmo assim, a preocupação é grande pois alguns coiotes, que perceberam o "tesouro" que é o comércio dos medicamentes para emagrecer e estão abrindo rotas de tráfico através da fronteira mexicana, tentando burlar toda e qualquer fiscalização.

N. Pinto, 24, natural de Minas Gerais, disse que o agenciador que o trouxe para este país também está incluído neste grupo. Segundo ele, um coiote atravessa a fronteira com o medicamento e entrega para um representante, na cidade de Tucson, o qual traz os remédios até a cidade de Everett-MA.

Ele não revelou como ficou sabendo desta informação e qual a sua ligação com o coiote, "apenas aproveitou a conversa entre amigos para falar do caso".

Fonte: (www.wickedlocal.com)