Publicado em 27/05/2008 as 12:00am

Ferramentas publicitárias: o Marketing Viral

Quantas pessoas não foram surpreendidas quando receberam por e-mail, viram o post em um blog, ou ouviram os amigos comentando em uma conversa de bar sobre um vídeo no qual o craque Ronaldinho Gaúcho chutava e acertava diversas vezes seguidas a bola no tra

Por Carlos Henrique Müller*

 

Quantas pessoas não foram surpreendidas quando receberam por e-mail, viram o post em um blog, ou ouviram os amigos comentando em uma conversa de bar sobre um vídeo no qual o craque Ronaldinho Gaúcho chutava e acertava diversas vezes seguidas a bola no travessão?

 

Nas rodas de amigos, todos discutiam se aquilo era verdade, uns falando que era computação gráfica, outros afirmando com toda a certeza que se tratava de um vídeo 100% real. Pois é! Tenha certeza de que, quando a NIKE fez este vídeo, a intenção era gerar toda essa polemica mesmo. O vídeo intitulado Ronaldinho: Touch of Gold nada mais é que uma peça de Marketing Viral, também chamado de Buzz Marketing, que já foi vista por milhões de pessoas (só no site Youtube, tem mais de 23 milhões de acessos).

 

Diferentemente de uma propaganda, um vídeo viral muitas vezes se apropria da linguagem dos vídeos amadores, para que as pessoas acreditem que o que está sendo mostrado é real.

 

O marketing viral se utiliza das redes sociais para se proliferar. É a evolução do antigo boca-a-boca, potencializado com o uso da internet. Como um vírus, que passa de uma pessoa para outra, uma ação de marketing viral normalmente mostra algo engraçado, inusitado, que pareça impossível ou desperte a curiosidade das pessoas.

 

Porém, a ação nunca pode parecer com uma propaganda tradicional, simplesmente ofertando um produto ou serviço. Ela deve oferecer algum beneficio para quem está vendo, nem que este seja apenas alguns segundos de diversão.

 

Uma ação de marketing viral pode conter ou não a marca da empresa, mas o mais importante é que as pessoas se sintam motivadas a passar aquele link para seus contatos.

 

Além de vídeos, o marketing viral pode utilizar outras estratégias, como a criação de um blog, uma assinatura de e-mail, um webcard, ou qualquer outra forma de comunicação na internet que seja repassada voluntariamente pelas pessoas, tomando projeções exponenciais.

 

O grande cuidado ao pensar em uma campanha de marketing viral é criar um conteúdo pertinente, com uma mensagem clara, que seja compreendida facilmente e com alto poder de proliferação. Antes de partir para a criação, é essencial um planejamento, para definir o público a ser atingido, qual a intenção da empresa com a ação e quais vão ser as formas de mensurar resultados.

 

Uma ação viral mal elaborada pode trazer resultados contrários aos que a empresa espera. Neste caso, o ditado "falem mal, mas falem de mim" não deve ser levado em consideração. Ou você vai querer que a sua empresa tenha uma impressão negativa potencializada por milhares de pessoas?

 

Espero que tenham gostado! Até a próxima semana, quando abordaremos o tema Marketing de Guerrilha. Um abraço!

 

*Diretor Geral e de Criação da CreativeBizz (agência de Marketing Promocional e Desenvolvimento que conta com serviços voltados para os brasileiros nos EUA), é graduado em Design Gráfico e teve trabalho em destaque na 8ª Bienal Brasileira de Design Gráfico, evento mais importante da categoria em todo o país. Também supervisiona o núcleo de Criação de uma das maiores empresas de tecnologia da América Latina. E-mail para contato: carlos@creativebizz.com

Fonte: (CreativeBizz)