Publicado em 10/06/2008 as 12:00am

Mulher procura brasileiro que a agrediu durante o jogo da seleção brasileira

No jogo da Seleção brasileira com a Venezuela, um torcedor quebrou o maxilar inferior de uma catarinense com um forte soco

 

Por Elizabeth M. Simões

 

A Catarinense Maiara Pereira levou um soco no rosto e precisou ser hospitalizada  momentos antes do início da partida da Seleção brasileira contra a Venezuela no Estádio Gillette, na sexta-feira (6), em Foxborough-Massachusetts. Segundo a sua descrição, um homem de aproximadamente 1.80 de altura, forte, de pele morena e sotaque mineiro foi o seu agressor.

O motivo teria sido provocado por uma discussão na fila do banheiro. Maiara havia encontrado com uma amiga que cedeu a vez na fila para que ela pudesse urinar, "Minha amiga percebeu que eu estava muito aflita e pediu que eu passasse à frente dela.", disse Maiara.

Enquanto isso, um dos torcedores, (conforme a descrição já feita pela catarinese) saiu do lugar para discutir sobre ela ter "furado a fila". "Ele alegou que tinha 10 anos de "América" e por isso, não aceitaria que ninguém o deixasse para trás. Eu ainda tentei argumentar que isso não era razão alguma para o uso do banheiro e realmente estava necessitando", explicou.

Repentinamente o torcedor desferiu um soco no rosto de Maiara que caiu no chão devido a força do golpe. Ela tentou se levantar, mas desmaiou em seguida.

Após o trauma causado pela perda de sangue, Maiara acordou no hospital e soube que o seu maxiliar inferior havia sido quebrado. "Os médicos contaram que a lesão atravessou dos dentes até o queixo e os danos foram profundos", disse.

Ao notar a quantidade de sangue e a violência de seu ato, o torcedor cobriu-se com uma bandeira do Brasil para esconder o rosto e fugiu no entre as pessoas. "Antes de ser agredida notei que ele estava em companhia de seis amigos. Eu espero que algum deles se comova e conte qual é o nome do homem que me fez tanto mal. Ele tem um comportamento perigoso e poderá atingir outras vítimas sempre que sentir-se incomodado. E tudo isso por motivos banais", disse.   

Trabalhando como vendedora ela é mãe de uma criança de dois anos de idade e terá que se submeter à duas intervenções cirúrgicas para colocar pinos no osso e recuperar a saúde bucal. "Devido as circunstâncias do trauma, o hospital não cobrirá as despesas médicas. Eles caracterizaram a ocorrência como resultado de briga e não aceitaram subsidiar o tratamento.", desabafou inconsolada.

Até o momento, Maiara gastou $1,500 (pouco mais de R$ 2.400,00) com remédios e exames. Ela não consegue alimentar-se normalmente e sente fortes dores. O caso foi registrado na polícia de Norwood. As pessoas que souberem alguma informação do agressor, pode entrar em contato com a redação do jornalo Brazilian Times, através do fone (617) 625-5559.

Fonte: (Brazilian Times)