Publicado em 22/06/2008 as 12:00am

Matogrossense tem o pé amputado é demitido injustamente

Inativo, sem seguro saúde, nem lar, Valnei tornou-se "homeless"

Por Elizabeth M. Simões

ABTN ? Agência Brazilian Times de Notícias

 

 

(Framingham-MA) O matogrossense, Valnei Walter, 34, amputou parte do pé direito depois de sofrer um acidente de trabalho, na cidade de Dorchester-MA. Ele limpava o Pub (bar e restaurante), irlandês, chamado Banshee, quando feriu-se com pedaços de garrafas de vidro.

Valnei passou pouco mais de dois meses cumprindo 80 horas de trabalho semanais até ser demitido por um dos sócios do estabelecimento. "Depois do acidente eu estava mancando e sentido muitas dores. Os médicos retiraram vários cacos de vidro do meu pé e no mesmo dia ainda tive que voltar ao trabalho, porque um dos sócios, chamado Ray, contava comigo para limpar os banheiros e lavar a louça. Ele disse que haveria uma partida de futebol importante naquela noite e que era esperado um bom público", disse Valnei.

No dia  4 de Setembro, já bastante debilitado ele recebeu a demissão. "Eles alegaram que o meu status migratório era ilegal e por isso iriam me dispensar", e argumentou, "só eu fui demitido naquele dia. Achei estranho, afinal eu não era o único sem a Social Security ou permissão de trabalho", suspeitou o brasileiro.

Como ele não possuia seguro de saúde e nem renda para manter um tratamento adequado, foi submetido a diversas internações emergenciais causadas por graves infecções. "Chegaram a recomendar uma farmácia gratuita, porém eles não tinham o medicamento e me deram apenas uma pomada. Disseram que eu não tinha cobertura médica para cuidar do meu pé", lamentou.

Em dezembro do ano passado, Valnei foi internado no hospital de Burlington, "Os médicos pediram para eu assinar uma autorização de amputação. Argumentaram que se não permitisse o corte de 35% do meu pé, em poucos meses eu perderia ele inteiramente.", contou.

Após a operação ele teve a região coberta por um curativo comum, "Uma médica explicou que as pessoas que possuem bons planos de saúde recebem uma espécie de filtro que drena a gangrena e ajuda na cicatrização em 3 meses. Eu já vou completar 7 meses com o pé aberto, sujeito à outras infecções. As vezes noto que existem partes escuras, quase pretas, em torno da carne."

O quadro clínico de Valnei inspira maiores cuidados, porque ele é portador de Hanseníase, uma doença infecciosa que normalmente ataca a pele e os nervos. A baixa resistência do sistema imunológico é um agravante na recuperação dele.

Sem renda para tratar-se, ou mesmo para arcar com as despesas básicas de alimentação e moradia, Valnei tornou-se homeless, "Tive que dormir duas semanas dentro de um carro, do contrário estaria ao relento" lamentou.

Os brasileiros residentes em Framingham, local onde ele tenta a subsistência, sensibilizaram-se com as circunstâncias e ofereceram alguns donativos, "Assim que soube dele, corri para a emissora de rádio 650AM e falei com o locutor Ilton Lisboa. Ele liderou uma campanha para arrecadar fundos em prol de Valnei", disse Cida.

Os apelos na rádio proporcionaram uma residência provisória e $400 para a compra de remédios. O radialista continuará organizando ações solidárias para contribuir com Valnei, "Ele não tem roupas, sapatos, nem sequer um teto definitivo. Nós precisamos ajudá-lo!", apelou Ilton Lisboa.

Quem estiver interessado em contribuir com o tratamento e as despesas de Valnei, poderá ligar para o radialista no telefone (781) 635-7359. A loja Ana's Shop, em Framingham também receberá doações. "Ele precisa de todo o suporte material e financeiro, além de muitas orações", enfatiza Ilton Lisboa.

Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times)