Publicado em 7/07/2008 as 12:00am

Como foi o 4 de Julho para brasileiros de Boston

Lagoas, quintais, restaurantes, parques e o inevitável show de fogos

Os preparativos começaram na noite anterior. Todos queriam ser os primeiros a chegar à Lagoa de Leominster para descolar o melhor lugar para estacionar seus carros. E, a partir das 9 da manhã, foram entrando no parque, com suas caravanas de amigos, suas tendas para armar, o cooler com a cervejinha já começando a gelar, a churrasqueira e a carne.

E tome de música! Cada veículo, um mais bombado que o outro, emitia, em alto volume, as músicas preferidas da galera. Teve de tudo: axé, samba, forró, sertanejo e rock and roll. Os adeptos da música hispana, claro, trouxeram o poder do Reggaton. Nem a lama da chuva que caiu mais cedo, atrapalhou a festa dos imigrantes. Sim, porque americanos só mesmo a polícia, a segurança e os ajudantes do parking.

Por descuido de um praticante de Jet Ski, o mesmo atropelou uma mulher grávida, deixando a nota triste para uma celebração descontraida e seguindo o mote do comportamento brazuca-americano em dia de festa de Tio Sam. Os abusos com a bebida, inevitáveis, e as conversas eufóricas, tiveram como objetivo espantar o stress de viver como imigrantes. Porém, sem preocupação com uma tal de crise.

Os mais preocupados com a alta da gasolina ficaram mesmo pelo quintal ou na driveway, foram aos parques próximos, preparando-se para o grande show da noite no Charles River.

Para onde foram quinhentas mil pessoas, que se colocaram ao longo da Storrow Drive e da Memorial Drive, para sentir o gostinho do que acontecia no palco da concha acústica. O concerto do Boston Pops e de John Mellecamp eram grátis, mas como chegar lá pertinho para ver tudo?

Não importou muito. Os fogos de artifício eram as vedetes principais da noite. O show de luzes e fogos, espetacular, finalizou, assim, a festa da independência americana em Boston e cercanias.

Na hora de voltar para casa, quem tinha estacionado no parking do Galleria Mall acabou se dando mal. A espera para sair do estacionamento foi de 65 minutos. E quem estava inconformado, apertou a mão na buzina. Aquela sinfonia em alto grau deixou muita gente irritada.

Mas, com a beleza da sinfonia pirotécnica ainda em suas lembranças.

Fonte: (Agência Brazilian Times de Notícias)