Publicado em 14/07/2008 as 12:00am

Verão gera aquecimento na construção civil

Brasileiros têm carga horário de até 14 horas diárias neste período do ano

Por Elizabeth Simões

 

Construtoras e funcionários concordam, o verão foi feito para "trabalhar em dobro", pelo menos é assim que funciona em Massachusetts, nessa estação do ano. No inverno anterior o segmento da construção civil estagnou o seu crescimento em função de dois fatores, o primeiro e o principal deles foi o desaquecimento da economia no país e o segundo foi provocado pela intensa neve, que atingiu 7 inches em janeiro de 2008, uma abaixo do record registrado em 1999. Nesse período também houve muitas nevascas além dos temporais registrados no estado.

Com a chegada da nova estação e o clima à uma temperatura média de até 36ºC, trabalhar sem proteção não é muito confortável. Porém a demanda de serviços aumenta e cresce também o número de ofertas por vagas de trabalho e horas remuneradas.

O jornal Brazilian Times comparou as ofertas de empregos anunciadas nos classificados relativos ao inverno, e mesmo com algumas pequenas variações a cada edição, o aumento da oferta de emprego na construção é evidente nessa época do ano, três vezes mais maior do que no inverno.

 

Trabalho de sol a sol

Na quarta-feira (09), em frente à um restaurante em Allston, o paulista, Paulo de Santi, foi observado pela equipe de reportagem do jornal Brazilian Times enquanto procurava carpinteiros para integrar as obras de uma casa na cidade de Watertown. Ele andava de um lado para o outro parando as pessoas e perguntando, "Você tem compromissos hoje? Gostaria de trabalhar numa construção?"

Quando não ouvia uma resposta satisfatória ele tentava outra saída, "Conhece algum amigo que queira trabalhar como carpinteiro?". Sem perceber que estava sendo assistido, e aflito, Paulo chegou a abordar a equipe de reportagem do BT consultando a possibilidade de indicar alguém para o trabalho.

Desta vez, ele foi entrevistado e respondeu que indiferente a exposição ao sol a carga horária cumprida é a mesma executada no inverno, 8 horas diárias, no período da manhã até a tarde. "Neste momento há três pessoas trabalhando no deck da casa e eu ainda preciso encontrar mais um", disse Paulo.

Momentos depois, Marcelo Dias que estava de passagem, notou a presença do amigo e aproximou-se para inteirar-se do assunto. Na tentativa de ajudar o amigo ele realizou diversas ligações sem sucesso "Estão todos ocupados, será dificil você encontrar alguém disponível, tem muito trabalho para ser feito".

Depois dessa afirmativa, os dois foram questionados se o desaquecimento da economia afetou a produção, ambos disseram que apenas temporariamente. Mas essa opinião não é compartilhada pelo "landscape" Gilmar de Itaquera, que trabalha em Fort Lauderdale, na Flórida.

Gilmar alega que os seus colegas de trabalho estão perdendo clientes e estão insatisfeitos com a queda do valor combinado por hora. Porém mesmo reportando o infortunio dos colegas, ele está repleto de trabalho e reclama da falta de tempo. "Estou pensando em contratar uma secretária para agilizar os orçamentos e formalizar as ordens de serviço", comentou Gilmar.

Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times)