Publicado em 15/07/2008 as 12:00am

O caipira mais famoso da América, Sô Zé, arruma as malas para deixar os EUA.

Sô Zé, iniciou negocições com emissoras de televisões brasileiras e prepara-se para deixar os Estados Unidos, em Janeiro, de 2009.

O humorista André Luiz Ferreira, que interpreta o popular Sô Zé, iniciou negocições com emissoras de televisões brasileiras e prepara-se para deixar os Estados Unidos, em Janeiro, de 2009. Em entrevista, exclusiva, o mineiro da cidade de Conselheiro Pena disse ao jornal Brazilian Times que  irá continuar encenando os mesmos modos do personagem simplório que migrou da roça para a América do Norte.

Neste ano, em Fort Lauderdale-FL, André recebeu o importante troféu Press Award,  na categoria "Destaque no Teatro". Em evidência, antes mesmo de deixar o país, ele já está contratado por diversos teatros e casas de shows na Região Sul do Brasil, além de ser bem cotado para apresentar um dos quadros do programa Zorra Total, da Rede Globo de televisão.

 

BT: Como foi o nascimento do personagem Sô Zé?

André: O caipira começou a ser criado numa pequena apresentação improvisada na Usiminas Mêcanica, em Ipatinga-MG, onde eu trabalhava. A peça foi tão elogiada que desde então eu nunca mais parei.

Fui para a roça de verdade e observei como os roçeiros se comportavam, copiei expressões e incorporei a simplicidade deles. Aos poucos os trejeiros dos roçeiros matutos, como coçar a cabeça, mexer no nariz e a divertida maneira de contar histórias foram ficando cada vez mais espontâneos nos meus shows.

 

BT: Nerson da Capitinga, interpretado por Pedro Bismarck na "Escolinha do Prof. Raimundo" serviu de influência?

André: Não, eu sempre admirei o comediante Mazzaropi, ele sem dúvida contribuiu para idealizar o Sô Zé. Eu aprendi algumas facetas do humor assistindo os shows dele. Meu primo era porteiro e sempre me colocava para dentro. (risos)

Quando cheguei em Newport-MA, em 2002, também conheci alguns imigrantes que me inspiraram e complementaram o Sô Zé. O timbre da voz, de taquara rachada, e o inglês confuso deram mais estilo ao caipira.

Meu amigo mineiro João Paió, que morou em Medford contava histórias incríveis e exageradas de sua terra, que eu reproduzia nos shows. De vez em quando ele ainda resmungava comigo: Pare de fazer fofocas minhas!

O jeito bruto e engraçado de lidar dos imigrantes portugueses também renderam boas imitações. Sem falar das piadinhas de português.

 

BT: Ao longo desses seis anos, você já havia planejado voltar para o Brasil?

André: Sim (respirou fundo). Em 2006 eu até fiz um show de despedida, mas alguns empresários e promoters insistiram em mais uma turnê pelos EUA e o sucesso das apresentações adiou os meus planos até hoje.

O curioso é que foi por causa dessa despedida na Flórida, é que eu conheci a minha esposa Eliziane Chambers. Na verdade, ela não queria saber de mim, Eliziane se apaixonou pelo Sô Zé (brinca). O intrometido do André foi quem atravessou o caminho e deu um beijo desprevinido nela. (mais risos)

 

BT: Você já falhou alguma vez no palco?

André: Fazer shows em restaurantes ou churrascarias não é muito fácil, porque eu perco a concentração quando os celulares tocam ou alguém grita: Garçom uma rodada de chops. Mas acho que uma das falhas mais engraçadas aconteceu quando eu apontei para uma mesa vazia e disse: Gostaria de agradecer a comunidade espírita que veio me assistir hoje! Fui andando em direção fingindo que estava apertando as mãos das almas e derrepente tropeçei e me espatifei no chão, a platéia nunca riu tanto.

 

Box

 

HUMOR

 

Sô Zé também fala em entrevista exclusiva ao Brazilian Times

 

BT: Qual será a sua primeira providência ao chegar no Brasil?

Sô Zé: Pescar, contar causos com os amigos e beber cachaça, hehehe.

 

BT: Qual foi a sua maior dificuldade nos EUA?

Sô Zé: Falar inglês. Creio em Deus Pai! Essa tal de língua inglesa num entra na minha cabeça di jeito nenhum, não, sô!

 

BT: Você tem medo de voar de avião?

Sô Zé: Uai sô, si tenho! Nunca vi um bicho tão pesado voar e nem asa ele bate. Sabe cumé qui é né, ninguém morre antes da hora, mas se essa hora for a do piloto...

 

BT: O quê você vai levar dos EUA?

Sô Zé: Vou embora em janeiro justamente pra recolher um montinho de neve pra matar a saudade. Tô pensando até em levar um poquinho mais pra colocar anilina e vender como sorvete.

 

BT: Qual é o seu recado de despedida para os fãs?

Sô Zé: Pra ocês que tão ficando, eu dou o meu inté logo. Num tô disapontando nem abandonando ocês, só qui tenho qui ver como é que vão os negócios da minha mulher Nadira lá no Brasil.

Todo o mês eu mando o dinheiro para o necessário, mas já tô disconfiando que "Necessário" é o nome de batismo do amante dela. Irc!

Ra ra ra, vou vortá e ôceis sabem disso. É chovê no molhado! 

Fonte: (Brazilian Times)