Publicado em 17/07/2008 as 12:00am

Um gol pela solidariedade

Copa do mundo ONE Lowell chega à segunda edição promovendo diversão e ajuda comunitária

A organização ONE Lowell, está lançando a segunda edição da Copa do Mundo de futebol em Lowell, nos dias 2 e 3 de Agosto. Realizado no Cawley Stadium, o evento tem como objetivo arrecadar recursos financeiros para ajudar famílias de imigrantes e refugiados de guerras que vivem na região de Lowell.

            Neste ano, serão 16 times regionais representando países do mundo inteiro: Brasil, Portugal, Colômbia, Gana, Camboja, Guatemala, Alemanha, Suíca, Honduras, Kênia, Uganda, China, Vietnã, Somália e USA. Ao todo serão realizados 27 jogos das 8am às 8pm durante dois dias de competição.

            Enquanto o futebol é a atração principal, famílias e crianças irão curtir uma variedade de comidas tradicionais, atividades e atrações artísticas. Ainda no evento, será vendida uma rifa que sorteará um carro novo (Smart Car 2008) e 4 VIP Club Tickets para a partida entre o New England Revolution e o L.A Galaxy. A rifa pode ser comprada por $20 antecipadamente ou na hora do evento. Todo o dinheiro arrecadado na Copa do Mundo será revertido para a ONG e suas ações humanitárias.

            Para um dos organizadores do evento Willian Ferreira, o evento também atua de maneira a fortalecer a identidade cultural de cada equipe, fortalecer o laço dos participantes com os seus países. "Na atual edição é imprescindível que o time tenha 80% de jogadores nascidos no país a ser representado" afirma Willian, que completa que a expectativa de público para esse ano é de 4, 5 mil pessoas, superando em muito os 1,5 mil presentes do ano passado. "Já vendemos mil ingressos antecipados até agora, o evento está se mostrando um sucesso até o momento" comemora o organizador.

A ONG One Lowell, organização não-governamental que atua em prol dos imigrantes e refugiados desde 2001, tem vários programas entre a comunidade, entre eles, atuando na ajuda às crianças de famílias de imigrantes que estão tendo dificuldade de se adaptar com o sistema educacional americano, que reflete em ausência escolar, comportamento indisciplinar e baixo índice de notas. Além disso, trabalha ajudando imigrantes a aplicar para a cidadania americana e a votar em períodos eleitorais (aqueles que têm permissão).

Fonte: (Da Redação)