Publicado em 3/08/2008 as 12:00am

Representantes da Nova Inglaterra avaliam "1º Seminário sobre Brasileiros no Exterior"

Inicialmente eles levaram informação sobre o modo de vida e as carências das colônias brasileiras. Agora, eles retornaram para dizer como as propostas foram recebidas pelo Governo brasileiro

Os três representantes comunitários escolhidos para representar o grupo de imigrantes que vivem nos Estados Unidos, no encontro da diáspora brasileira, chamada de “Brasileiros no Mundo”, realizada no Rio de Janeiro, no mês de Julho (dias 17 e 18) receberam os repórteres numa coletiva de imprensa realizada nesta  sexta-feira, (1), no Brazilian Women’s Group, na cidade de Allston-MA. Álvaro Lima, Heloísa Galvão e Edirson Paiva transmitiram aos imigrantes qual foi a relevância desse encontro.

O embaixador Mário E. Saade, que também esteve presente nos dois dias da Conferência, abriu a reunião bastante otimista. “Essa foi a primeira vez que todos os setores do Estado deram a oportunidade de diálogo para que os brasileiros que vivem no exterior pudessem objetivar os interesses das comunidades e discutir numa feição acadêmica os temas que esses representantes trouxeram para conhecimento do Itamaraty”, disse.

Em total consenso os representantes e o embaixador fizeram uma avaliação bem positiva e promissora do evento. “Esse foi um encontro histórico e podemos dizer que a curto prazo já podemos constatar algumas conquistas favoráveis, por exemplo, a constituição de uma comissão com onze membros para a formação de um grupo de interlocutores com canal aberto com o Itamaraty. É importante destacar, também, que esses enconcontros serão anuais, o que reforça a seriedade e compromisso com os imigrantes,” disse o embaixador.

A força de New England – Uma maioria centralizada em Boston

A jornalista e ativista social, Heloísa Galvão, fundadora do Grupo Mulher Brasileira,  relatou que nos seus mais de quinze anos em Boston nunca presenciou uma iniciativa tão significativa do Governo Brasileiro em promover assistência aos brasileiros que vivem no exterior. “Ficou bem claro o papel de Boston no contexto migratório. Nossa comunidade está muito à frente de qualquer outra. O Governo Brasileiro, agora, reconhece oficialmente a nossa posição e a forte conexão que mantemos com o Brasil”, disse.

Heloísa demonstrou confiança e foi bastante firme ao responder aos jornalistas, “Não haverá retrocesso, esse encontro surtirá efeito e creio que teremos melhorias a partir desse grande passo. Esse é um tipo de política compromissada, eles deram voz para 3 milhões de imigrantes que estão fora do país, isso não poderá regredir ou cair no esquecimento”, reforçou Heloísa.

As palavras ditas pelo Ministro Celso Amorin, no Rio de Janeiro, também foram endossadas, “Essa não foi uma reunião privada e essa não é uma questão consular, é um assunto de política externa e sinal de mudanças qualitativas” citou Heloísa.

Agindo com atenções focadas em 2010

Em posse das cópias do relatório de “Propostas e Reivindicações dos Representantes das Comunidades Brasileiras na América do Norte”, o diretor de pesquisas econômicas e sociais da prefeitura de Boston, Álvaro Lima, disse que o documento será usado por especialistas do Governo Brasileiro para mapear áreas de competência que possam coordenar esforços para atender as demandas. “Cada reivindicação requer a atenção de diferentes setores. A primeira fase está concentrada em descobrir quem tem jurisdição sobre os problemas apresentados. Por exemplo, em alguns momentos quem terá poderes para interferir numa questão será o ministério, mas em outros a solução dependerá de órgãos privados ou outras entidades sem fins lucrativos”, explicou Álvaro.

O diretor fez um apelo a imprensa, “O Governo brasileiro está empenhado em colaborar com a melhoria do nosso dia a dia no exterior, mas nós devemos fazer a nossa parte. Existem associações, igrejas e outras instituições que promovem campanhas e precisam da adesão cidadã desses brasileiros”. Álvaro falou da emenda, número cinco, proposta pelo senador Cristóvam Buarque-PDT-DF, como sendo essa, uma das campanhas que necessitam de muita mobilização. “Agora cabe a nós manifestarmos interesse, mandem cartas e enviem e-mail’s para a Câmara pedindo a aprovação da emenda que tornará possível, em 2010, a eleição de um deputado representante das colônias brasileiras nos Estados Unidos. Colaborem com abaixo-assindado e sejam ativos. Os brasileiros precisam se envolver e se conscientizar da importância política e social que exercem, mesmo fora de casa.

Mas Álvaro alertou, “O propósito  é juntar-se a grupos e agregar força coletiva, e não ao contrário, tentar lançar candidaturas de uma eleição que ainda nem existe”. Após essa declaração os jornalistas interrogaram Edirson Paiva, fundador do jornal Brazilian Times sobre uma possível candidatura e ele respondeu, “É verdade existem alguns amigos que insistem em cogitar o meu nome, mas eu não penso nisso, já tenho a minha parcela de responsabilidade melhorando a comunicação dos imigrantes nos EUA” e brincou, “Daqui para frente a minha meta é descansar”, disse.

Cobrança Cidadã

Edirson também acentuou que a sua participação na conferência teve o teor de integrar a comunicação, “Estive lá para entregar as propostas dos leitores que me procuraram. Falei sobre a importância do apoio a comunicação e voltei para Boston com a missão de informar os brasileiros sobre o que foi discutido. Gostaria de deixar bem claro que o Álvaro, a Heloísa e o professor Eduardo Siqueira (representante voluntário), foram os nomes que brilharam e representaram com sucesso a nossa comunidade”, disse Edirson.

Em seguida o professor da Universidade de Lowell, Eduardo Siqueira,  foi convidado a sentar-se com os representantes e expor o seu ponto de vista. “A pauta de propostas e reivindicações não é um documento ideológico, ele é bastante prático e veremos o resultado dele. Já estamos coordenando antecipadamente as próximas metas para a reunião de 2009 e isso pode ser considerado um avanço. Mas, repito o mesmo alerta, esse é um trabalho que conta com a participação de grupos organizados de mulheres, jovens e outras forças coletivas. Os líderes não tem que disputar espaço, porque nessa altura do campeonato afirmar que existem eleições é tolice, além de ser delírio, também”, enfatizou Eduardo.

 Os representantes evitaram opinar qual de todas as reivindicações seria a mais urgente para encabeçar a lista, porém Eduardo assumiu que, “entre muitos assuntos emergenciais, as deportações são prioridades gritantes”, disse. Ele ressaltou, “A conferência foi um ato inédito e legítimo que não se esgota em si. Cabe a comunidade brasileira administrar esse canal e somar forças ao Governo brasileiro”, concluiu Eduardo.   

Fonte: (Brazilian Times)