Publicado em 19/08/2008 as 12:00am

Brasileira caminha 100 km em 3 dias pela solidariedade

Com a caminhada, ela arrecadou $2000, mas ainda faltam 200 para ela atingir a meta prometida. "Os recursos financeiros vão ajudar doentes e pesquisas contra o câncer"

Por Elisabeth Simões

Dalila Salles deixou de trabalhar no seu schedule de house cleaner e privou-se da companhia da família para caminhar 60 milhas, em três dias consecutivos. Antes da caminhada ela avisou aos amigos e comerciantes brasileiros que iniciaria o desafio de andar para estimular a doação de fundos para a campanha The Breast Cancer-3 Days, contra o câncer de mama, mas faltando $200, ela terminou o percurso bem próximo de concretizar o seu compromisso. “Enquanto eu caminhava meus patrões e a minha família acessavam uma página na internet para doar quantias. Isso me sensibilizou muito, estou muito grata e feliz por saber que juntos, vamos financiar esperança às vítimas do câncer”.

O trajeto planejado pela organização da The Cup Crusaders, começou na sexta-feira (15), em frente ao Gillette Stadium, em Foxborough-Massachusetts, ela passou pelas cidades de Quincy, Brockton e Stoughton e nem mesmo a forte chuva atrapalhou a longa jornada que teve a missão de custear tratamentos, pesquisas e principalmente realizar um ato coletivo de apelo para prevenir a doença, lembrando que, o auto-exame deve ser uma rotina essencial na vida de todos.

Conforme orientação médica, observar e tocar o corpo é a melhor providência para evitar o sofrimento da descoberta tardia. Manchas na pele, caroços e outras mínimas alterações podem indicar sinais da doença e devem ser notificadas ao médico clínico em exames periódicos ou de imediato caso seja constatado algum indício dela. “Existem pessoas que passam o ano inteiro trabalhando e ficam cansadas demais para reparar no próprio aspecto físico. Eu mesma nunca havia descoberto qual é a gravidade que acarreta deixar o meu corpo para segundo plano. Mas isso mudou assim que soube que o câncer havia afetado meus parentes”, disse Dalila.

A infortuita descoberta do câncer em três membros da família motivou a sua participação na campanha, “Minha avó, uma tia e, recententemente, meu tio, foram diagnosticados de câncer de mama. “Eu perguntei aos médicos: Meu tio tem câncer de mama?”, Dalilia disse ter ficado incrédula. “Eles responderam que a doença também tem se alastrado no grupo masculino”, acrescentou.

Hoje, os três são sobreviventes do câncer, “a descoberta recente foi determinante para o sucesso do tratamento”, disse Dalila. No domingo (17), mesmo reclamando de dores musculares, calos nos pés e muita fome, ela estendeu a sua caminhada para concretizar mais um objetivo. Deslocou-se até a redação do jornal Brazilian Times para dar o seu recado: “Façam o auto-exame do câncer de mama, e sob qualquer suspeita de nódulos, secreções ou manchas na pele, procure um especialista. Quem não tiver plano de saúde pode buscar apoio gratuito para realizar exames médicos na fundação Susan G. Komen Breast Cancer Foundation”, disse indicando o web site www.cupcrusaders.com.

Além dessa fundação, a Massachusetts Alliance of Portuguese Speakers (MAPS), telefone (617) 864-7600, oferece suporte no idioma português.

A American Cancer Society, telefone (1-800-227-2345), disponibiliza programas especiais para imigrantes, incluindo apoio psicológico. 

Fonte: (Brazilian Times)