Publicado em 19/08/2008 as 12:00am

Vítimas do 11 de Setembro a caminho da legalização

Na última sexta-feira, os EUA anunciaram que irão conceder vistos de permanência no país para imigrantes indocumentados que perderam parentes e cônjuges na tragédia

Traduzido por Marcelo Zicker

Alguns imigrantes têm vivido à margem da sociedade desde que aconteceram os atentados terroristas no dia 11 de setembro de 2001. entre elas estão esposas, maridos, filhos e outros parentes de pessoas morreram no fatídico ataque ao World Trade Center. Muitos dos que foram mortos no incidente estavam em situação irregular no país, e  agora seus parentes terão o respaldo da lei para se regularizarem.

A notícia repercutiu com muito entusiasmo entre a comunidade estrangeira residente no país. "Quando eu disse aos meus clientes sobre a emenda, percebi vários deles com lágrimas nos olhos", disse Steinberg Debra Brown, um advogado especializado em causas imigratórias. "Agora eles podem mostrar a cara e dizer seus nomes”, termina.

Na época, o Fundo De Indenização Do 9/11 contemplou com valores que vão de US$ 875.000 a US$ 4,1 milhão, as famílias das vítimas.  Porém sem a regularização de seus status como cidadãos, os beneficiados não conseguiam sucesso no investimento e na aplicação da quantia, sendo a ausência do Social Security e de outros documentos de identidade americanos grandes obstáculos nesse processo.

A lei foi inicialmente apresentada no ano passado por dois membros do Congresso de New York, Peter T. King, um republicano, e Carolyn Maloney, uma democrata, e tinha como premissa permitir a concessão de vistos de residente permanente dos sobreviventes/parentes. Foi então que vários republicanos na Câmara se opuseram à medida, exigindo mais informações sobre os imigrantes para garantir que eles não seriam terroristas ou criminosos.

Os advogados dos imigrantes relacionados disseram que estavam relutantes em fornecer quaisquer informações que poderiam expor os seus clientes à deportação, mas acabaram contribuindo para o recolhimento de dados. Após a análise das informações, a Homeland Security aprovará a aplicação da lei, estabelecendo para essas pessoas um ano de vistos temporários, que poderão ser renovados.

Segundo o Advogado Steinberg  “estas famílias já fazem parte da história norte-americana, nada mais justo do que oferecer a eles as responsabilidades e direitos de um cidadão legal dos Estados Unidos”.

Fonte: (Da redação)