Publicado em 24/08/2008 as 12:00am

Crise econômica empurra indocumentados para as ruas

A crise nos Estados Unidos, que afeta de maneira particular aqueles que não têm documentos, está fazendo com que muitos imigrantes vivam nas ruas, em função dos altos preços dos aluguéis e da falta de trabalho

A crise nos Estados Unidos, que afeta de maneira particular aqueles que não têm documentos, está fazendo com que muitos imigrantes vivam nas ruas, em função dos altos preços dos aluguéis e da falta de trabalho. Só em New Jersey, por exemplo, um grupo de latinos acampava em frente a um cemitério, na localidade de North Bergen. Já em Passaic, outros estavam amontoados debaixo de um viaduto, na beira de uma rodovia estadual, divididos de acordo com a nacionalidade. Em Lakewood, dezenas de pessoas foram desalojadas de um abrigo montado num pequeno bosque da cidade. Um relatório mostrou que há mais de 27.400 ‘sem-teto’ no estado, sendo que as crianças representam um terço deste total.

De acordo com ativistas e moradores, as operações de retirada dos ‘homeless’ desses locais só aconteceram porque muitos deles são indocumentados. David Jones, que por muitos anos viveu no acampamento improvisado em Lakewood, disse que as autoridades só tomaram providências depois que o número de imigrantes nesta comunidade cresceu. “Acredito que eles retiraram primeiro os mexicanos”, disse David. Nas comunidades dos ‘homeless’ em New Jersey os latinos eram facilmente identificados porque sempre mantinham uma criação de galinhas e plantações de alimentos. O grupo improvisou ainda uma ‘cozinha’ ao ar livre.

Para Jill Pérez, diretora do Departamento de Serviços Humanos daquele Condado, a presença de estrangeiros não teve qualquer relação com a iniciativa. “Não perguntamos quem era indocumentado e pouco nos importa qual é o status imigratório destas pessoas”, afirmou, acrescentando que os procedimentos foram tomados contra os acampamentos que ofereciam algum risco à saúde pública. Mas o administrador do condado, Alan Avery, admitiu em um comunicado que naquela região eram comuns ocorrências policiais, como agressões e consumo de drogas.

As autoridades e assistentes sociais trabalham, agora, para transferir os sem-teto para albergues e abrigos oficiais. No entanto, isso foi contestado por entidades de apoio aos imigrantes. Segundo MaryAnn Allacci, da organização ‘Mi Casa’, os indocumentados apenas recebem uma passagem de ida para cidades grandes como Atlantic City e Newark. “Já é difícil que os cidadãos americanos sem-teto recebam ajuda, o que dizer então dos imigrantes”, relatou MaryAnn.

Um dos homeless é José López, que chegou à região porque recebeu uma oferta de trabalho como jardineiro. O salário, no entanto, é insuficiente para que ele possa alugar uma casa decente para morar e, então, ele preferia viver no acampamento. “A maioria dos moradores vive aqui por necessidade econômica e não tem para onde ir. Somos trabalhadores, mas não temos como pagar aluguel”, lamentou José. É impossível determinar com exatidão o número de imigrantes entre os desamparados, já que os indocumentados não podem solicitar ajuda dos programas governamentais.

Fonte: (Da redação)