Publicado em 2/09/2008 as 12:00am

Confira a cobertura do Brazilian Day 2008

O maior evento realizado fora do Brasil está se tornando um dos maiores eventos também nos EUA. A festa atraiu aproximadamente 1 milhão e meio de pessoas e lotou 25 quarteirões das ruas de Manhattan

Por Elizabeth M. Simões

 

A língua portuguesa foi predominante nos arredores da famosa Times Square, em New York City-NY, no domingo, 31 de Agosto. A rua 47, também conhecida como Little Brazil, recebeu uma platéia tão grande quanto os eventos nova-iorquinos mais populares do calendário norte-americano, o Saint Patrick’s Day e a Parada Gay.

Essa imensa produção foi organizada pelo empresário João de Matos com apoio da emissora de televisão rede Globo e reuniu brasileiros, norte-americanos e turistas que juntos somaram o equivalente a população do estado de Pernambuco, ou mesmo, pode-se comparar ao triplo da proporção dos cidadãos que vivem em Niterói, no Rio de Janeiro. Em meio ao espetáculo a equipe de reportagem do jornal Brazilian Times teve acesso aos camarotes do elenco da rede globo e convidados especiais para mostrar os bastidores do Brazilian Day. Após descer do palco, o cantor Lulu Santos falou de sua apresentação , “É como cantar para todo Brasil de uma vez só. Tem gente de Minas Gerais, do Paraná e da Bahia. Várias cidades reunidas num só lugar, misturando  brasileiros que representam todos os cantos do nosso país”, disse Lulu Santos.

Serginho Groisman, apresentador do programa “Altas Lojas”, demonstrou bastante preocupação com a qualidade de vida e o desenvolvimento cultural dos imigrantes, ele revelou com exclusividade ao BT. “Estamos preparando um programa educacional com algumas informações curtas, mas completamente direcionadas para o imigrante das comunidades estrangeiras. O projeto está previsto para ir ao ar no primeiro semestre de 2009”, disse o apresentador.

Um pouco mais tenso com o assédio da imprensa, o apresentador do “vídeo show” e mestre de cerimônia do Brazilian Day, André Marques, comentou que os imigrantes de sua família vivem em Miami, por isso ele possui vínculos mais estreitos com a comunidade da Flórida. “Minha aproximação e os meus planos estão concentrados em Miami, pois é lá que a minha tia mora. O meu interesse é natural por aquela região” disse André Marques.

A festa terminou depois das dezoito horas com o encerramento da Banda Eva. O público implorou “Bis” e o vocalista Saulo Fernandes saiu do palco chorando emocionado com a receptividade e a festa da platéia. 


A festa mais bonita ainda é a do povo

Review

por Elizabeth Simões

 

“Tamanho GG”

 

Na sequência de apresentações, Jorge Ben Jor, Lulu Santos e Banda Eva agradaram os participantes, especialmente Lulu Santos, que na abertura cantou “Deixa isso pra lá”, uma composição bem dançante, que combina o seu rock-pop com o popular funk de rua. “Ele é um Show Man”, gritou acertadamente uma das fãs.

Mas mesmo com todo o repertório desses consagrados cantores ou com “as estrelas globais”, o maior trunfo do Brazilian Day ainda é o calor humano e os trejeitos dos anônimos que circulavam pelas ruas de New York. Por exemplo, na multidão, o mineiro Vinicius Roberto desfilava com o “ET de Varginha” pendurado no pesço, e conforme o cômico visitante, “O ET não precisa de passaporte para adentrar as fronteiras”, disse.

Em outra esquina, meninas criativas carregavam cartazes que diziam, “Mãe põe mais água no feijão”, uma expressão bem usual que traduz o espírito da festa gigante: Quando o assunto é diversão “sempre cabe mais um”.    


Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times)