Publicado em 4/09/2008 as 12:00am

Festa abre o Festival da Independência em Framingham

Heloísa Galvão, co-fundadora do Grupo Mulher Brasileira, apresentou à sala lotada com mais de 100 pessoas o grupo musical 4 Cantos, atração da noite de abertura do Festival 7 de Setembro

Por Miryam Wiley

 

No calendário de muitos brasileiros da área de Boston, a tradição é mesmo esperada.  Vem o 7 de setembro e a independência brasileira é comemorada em grande estilo, graças à paixão e muito trabalho de Heloísa Galvão, com apoio de uma série de patrocinadores, do Consulado Brasileiros e de muitos voluntários.  Começando com o hasteamento da bandeira no Boston City Hall Plaza (e que este ano cái num domingo!) o Festival da Independência, já com 13 anos, inclui mostras de cinema brasileiro e culmina com o grande evento ao ar livre no parque Artesani, em Boston. (Veja o programa no www.verdeamarelo.org e não perca!) Desde o ano passado, há também um evento em Framingham, promovido junto com a biblioteca pública da cidade, que se interessou e trabalha com o Grupo.

 

“Nós não poderíamos achar melhor parceria,” disse Galvão. “Framingham é a maior comunidade brasileira da Nova Inglaterra e nós queremos tentar alcançar o máximo possível de pessoas, tanto brasileiros quanto os locais. Muitas vezes as pessoas de Framingham não vão a Boston, então, por que não ir a Framingham?”

 

Os “locais” incluíram também pessoas de outras nacionalidades que logo entraram na dança e fizeram até trenzinho no meio das cadeiras.

 

“Você já imaginou que isso pudesse algum dia acontecer aqui?” perguntou Lynn Hess, de Framingham, que dançou o tempo todo. “Eu não fazia a menor idéia!”

Sally Collini, que estava dançando com Hess, comentou: “Eu acho que é assim que o mundo deveria ser. Nós estamos aqui todos juntos, somos todos seres humanos, estamos nos divertindo, e deveríamos nos amar sem problemas. Não faz a menor diferença o lugar de onde cada um veio ou qual é a religião de cada um.”

 

O grupo musical, formado por Marcos Santos, percussão, Gabriel Meireles, pandeiro e voz, Fernando Andreazi, violão e voz e Paulo, baixo, tocou e cantou um repertório variado que incluiu não só bossa nova, mas também samba e mais, com músicas de Cazuza e Zeca Pagodinho.

 

“Eu estou gostando muito,” disse o russo Lev Deych, que estava lá com sua esposa Inna. “Canto e dança é sempre ótimo, especialmente quando vejo um velho senhor dançando.” “Velho, não, jovem,” advertiu Inna Deych, rindo.  Ambos são alunos do curso de inglês da biblioteca, que foi como ficaram sabendo sobre o programa.

 

Como o casal Deych, a platéia era, na grande maioria, formada por pessoas da terceira idade. Em pouco tempo a maioria se viu enturmada e parecia estar mesmo se divertindo ao dançar os ritmos brasileiros.

 

“Eu nunca vim antes e estou adorando,” disse Philip Levine, de Natick. “Eu estou achando os músicos ótimos.”

 

Marlene Bortman, também de Natick, teve só uma palavra para descrever o evento: “Fantástico.” Logo depois perguntou onde poderia frequentar aulas de samba. “Seria um ótimo exercício,” disse.

 

“Eu faço aulas de Zumba e adoro,” disse Roz Geller, notando a conexão dos ritmos latinos e os brasileiros que estava ouvindo. “I love it.”

 

“Esse é o meu tipo de música,” disse Janet Carlin, também de Natick. “Eu não sou brasileira, mas eu adoro!”

 

Num determinado momento o Cônsul Geral do Brasil em Boston, Mario Saade, apresentou-se perto dos músicos e agradeceu a acolhida da cidade a todos.

 

“Eu estou muito satisfeito de estar aqui nesta cidade que deu as boas vindas a tantos brasileiros para inaugurar a celebração da independência do Brasil,” disse.

 

Kate Leon, que é italiana, disse que o evento foi lindo e acrescentou: “Nós deveríamos fazer isso mais frequentemente. Seria ótimo trazer essa música pelo menos uma vez por semana para os restaurantes da área.”

 

Os russos Lev e Inna Deych concordaram: “Uma vez por semana, toda semana,” disse Inna. 

Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times)