Publicado em 16/09/2008 as 12:00am

Confira como foi o Brazilian Day in Newark-NJ

No domingo (14), a comunidade de Newark, em New Jersey, comemorou a independência do Brasil com uma sequência de shows, executados por cantores regionais, realizados ao ar livre

Por Elizabeth Simões

 

No domingo (14), a comunidade de Newark, em New Jersey, comemorou a independência do Brasil com uma sequência de shows, executados por cantores regionais, realizados ao ar livre. A Ferry Street recebeu centenas de pessoas que espalharam-se por seis quarteirões inteiros.

O organizador da 16º edição do Brazilian Day, em Newark, Francisco Sampa, enfatizou que todos os músicos e bandas convidadas para se apresentarem eram de imigrantes. “O evento é feito pelo povo - que estuda e trabalha nos Estados Unidos. E, destinado para a própria colônia. Além da diversão que ele promove, o Brazilian Day abre mercado de trabalho para esses talentos que vieram de vários lugares como New York, Washington e Massachusetts”, disse.

Sampa é presidente da Brazilian American United Association (BAUA), uma associação que presta assistência social em Newark. Engajado no desenvolvimento cultural, ele acredita que a música é uma forte referência nacional.

A exemplo da declaração dada por Sampa, o cantor de Hip Hop Pixaim, residente em Lowell-MA, viajou mais de quatro horas para divulgar o seu grupo. Pixaim entregou uma cópia do seu CD para Sampa, na esperança de fazer parte da programação do festival no próximo ano.

Mesmo sem subir ao palco, Pixaim comprovou como a celebração pode beneficiar indiretamente os músicos, “Consegui agendar seis shows depois da festa realizada em New York. E em breve, vou conhecer a platéia de Connecticut e outras cidades que contrataram a nossa apresentação”, depois da entrevista, nada mais tirou a atenção de Pixaim, que estava seduzido pela chance de cantar na Ferry Street.

Enquanto isso, no local tão assediado por Pixaim, estavam as jovens da Teens at Risk Band. Kimberly, Krisse e Jojo, são as integrantes da banda de rock formada por uma segunda geração de cidadãos brasileiros.

A baixista Krysse explicou que a influência dos pais despertou o seu interesse pelas partituras brasileiras. “Nossas composições absorvem um pouco do estilo do Jota Quest e do Skank”, disse Krysse.

Assim como a Teens at Risk Band, de Newark, as bandas Ponto Com, de Boston, Pimenta Malagueta, de NYC e Ai Delícia de Connecticut, também fizeram a platéia dançar. No Riverbank Park, bem ao lado do palco principal, algumas famílias aproveitavam o espaço isolado da multidão e a sombra do parque para relaxarem ao som das variadas composições regionais.                   

Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times)