Publicado em 19/09/2008 as 12:00am

Brasileiro desaparecido é descoberto no Brasil

Procurado por seus amigos e parentes nos Estados Unidos, o jornal Brazilian Times encontra José Henrique Martins no Brasil. Em uma entre vista exclusiva ele contou como aconteceu sua prisão, o sofrimento que passou na cadeia e sua deportação

Por Marcelo Zicker

            O brasileiro José Henrique Martins, que estava desaparecido desde o dia 8 de Agosto, é descoberto no Brasil, na casa de sua mãe, em Curitiba . Em entrevista telefônica exclusiva à equipe de reportagem do Brazilian Times na tarde de ontem, ele afirmou ter sido detido juntamente com dezenas de outros estrangeiros pela polícia de Boston, durante uma festa na cidade. As constantes reclamações de alvoroço e baderna foram o estopim para a chegada dos oficiais.

             Ao ser constatada a sua indocumentação, José Henrique foi posto sob a responsabilidade da ICE (polícia de imigração), que foi acionada para cuidar do caso. “Eles verificaram que eu não tinha documentação legal no país, então de imediato me algemaram e me levaram em direção à penitenciária da Virgínia” afirma o curitibano. No caminho até a prisão, José Henrique ainda teve que ser levado a um hospital, devido à complicações derivadas de seus problemas cardíacos.

Detenção e carta de deportação

            Penalizado com uma fiança de $15.000 e , sem condições de arcar com o valor, não lhe foi concedido o direito de contactar familiares e amigos, permanecendo sob detenção por quase um mês até ser deportado para o Brasil. “Foi um mês muito difícil para mim. Fui levado para uma penitenciária, pois o prédio da imigração já estava com lotação máxima. E não foi fácil. Alimentação ruim, às vezes pouca comida, muitas vezes estragada. Eu tinha somente uma hora por dia fora do quarto. Eram 23 horas de muita agonia” disse José Henrique.

            Agonia essa, que teve fim nas semanas finais de Agosto, quando recebeu a proposta para assinar uma carta de deportação voluntária, que adiantaria a sua saída do país e poderia aliviar o seu sofrimento. “Disseram-me que se eu não assinasse, poderia ficar mais tempo preso até esperar uma decisão judicial a respeito do meu caso. Iria perder tempo e dinheiro. Por isso optei por assinar a carta que, mesmo implicando que eu não posso voltar aos EUA por 10 anos, foi a melhor opção ao meu ver” desabafa José, que desembarcou no Aeroporto de Curitiba no dia 10 de Setembro., quarta-feira.


 Recapitulando o caso

            O curitibano José Henrique Martins, havia sido visto pela última vez na oficina Georges Auto Body, em East Boston-MA, no dia 8 de Agosto, quando voltava a caminho de casa na cidade de Medford. À época do seu desaparecimento, seu irmão Pércio Martins afirmou que “ele passou muitos dias sem comparecer ao trabalho, o celular estava sempre desligado, sem nenhuma pista de onde ele poderia estar”.

            Porém no sábado, dia 13 de Setembro, José Henrique finalmente fez o contato do Brasil para seu irmão , no qual pode esclarecer os detalhes do caso. “Foi um alívio, é muito agonia ter um ente desaparecido sem saber se ele está vivo, morto ou preso. Ficamos felizes de saber que, pelo menos, ele já se encontra com a nossa família no Brasil, com saúde”, afirma Pérsio, demonstrando na voz calma, a tranquilidade de saber do bom desfecho do fato.

Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times)