Publicado em 21/09/2008 as 12:00am

Brasileira atropelada em Fall River

Após três dias em coma e mais de uma semana no CTI do Hospital Hasbro, em Massachusetts (EUA), a brasileira Tainá Cechinel, 12 anos, foi tranferida para o quarto da unidade e, ontem, conseguiu fazer sua primeira refeição

Após três dias em coma e mais de uma semana no CTI do Hospital Hasbro, em Massachusetts (EUA), a brasileira Tainá Cechinel, 12 anos, foi tranferida para o quarto da unidade e, ontem, conseguiu fazer sua primeira refeição. Tainá foi atropelada por uma motorista que dirigia em alta velocidade na cidade de Fall River, a 200 metros da casa onde mora com a mãe, Rita e o padrasto, Henrique Duarte.

No momento do acidente, ela estava com a irmã por parte de mãe, Yananda, 3, e a amiga Jayln Bonanca, 13, que sofreram ferimentos leves.

Segundo o tio da brasileira, o empresário Jorge Cechinel, 42, Tainá sofreu fraturas no crânio e nas pernas e chegou a correr risco de morrer. Cechinel conta também que a motorista, identificada como Elizabeth Peixoto, 24, estava com a carteira de motorista vencida e não possui o seguro obrigatório que cobre os gastos do hospital em casos de acidente.

“Tainá atravessava na faixa. Um carro parou para ela passar, mas veio outro, em alta velocidade, no sentido contrário. Ela protegeu a irmã que estava no colo e qacabou atingida”, disse, acrescentando que a motorista participará de audiência dia 3. De acordo com o jornal The Heralds News, Elizabeth será processada por dirigir de modo negligente.

 

Família não tem como pagar conta de hospital

Outra grande preocupação da família são os gastos hospitalares. Segundo a madrasta de Tainá, Filomena Cechinel, 35 anos, além de não ter o seguro obrigatório, a motorista também não teria condições de custear o tratamento, que já ultrapassou os 200 mil dólares. O tio da menina, Jorge, disse que o colégio de Tainá promove amanhã uma feira beneficente em prol da jovem. “Tainá ainda vai precisar de fisioterapia em Boston e de outros cuidados. Não sei quem vai pagar”, lamenta.

Natural de Criciúma, em Santa Catarina, Tainá está nos Estados Unidos há cinco anos. Sua família tem documentos de imigrantes legais. Eleita a melhor aluna do colégio, a menina, fanática pelo Flamengo, tem muita saudade do Brasil e, de acordo com Filomena, sonha em ser pediatra. A madrasta conta que os primeiros dias de Tainá no hospital foram bastante difíceis. “Era eu quem traduzia para os pais dela o que os médicos falavam. Não sabia como dizer, principalmente à mãe, que ela corria risco de morrer”, disse, acrescentando que a mãe biológica da menina está grávida.

Em breve, segundo os parentes, Tainá voltaria ao Brasil, em viagem de turismo. 

Fonte: (Da redação)