Publicado em 3/10/2008 as 12:00am

Brasileiras nos EUA opinam : As mulheres comandarão o mundo?

As mulheres estão cada vez mais à frente de atividades antes atribuídas aos homens. Elas competem de igual para igual com os machões que vêem seu império ameaçado. Conforme a consultoria da Grant Thornton Internacional, 42% dos cargos de alta gerência no

Por Maurício Mendes


As mulheres estão cada vez mais à frente de atividades antes atribuídas aos homens. Elas competem de igual para igual com os machões que vêem seu império ameaçado.  Conforme a consultoria da Grant Thornton Internacional, 42% dos cargos de alta gerência no Brasil são delas. No ranking mundial, nosso país só fica atrás das Filipinas que chega a 50%.  Os Estados Unidos ocupam o sétimo lugar com 23% e o Japão, lanterna dos 32 países pesquisados, apenas 7%. Presentes em todas as áreas, desde a mais modesta ocupação de trabalho até o importante cargo de governante de uma nação, elas mostram eficiência. Sua força é reconhecida na última lista das 100 mulheres mais poderosas do mundo da revista “Forbes”, onde aparece o nome da chanceler alemã Angela Merkel em primeiro lugar, seguida da americana Sheila Bair, chairman da Comissão Federal de Seguros de Depósitos (FDIC), organismo encarregado de ajudar entidades bancárias em crise. No âmbito americano, podemos ver Condolessa Rice, secretária de Estado, a sétima colocada; Hilary Clinton, destaque do senado, a vigésima oitava; Nancy Pelosi, que preside a Câmara de Representantes, a trigésima quinta e a apresentadora de televisão, Oprah Winfrey, a trigésima sexta, dentre outras. Enquanto isso, Cristina Fernández de Kirchner, presidenta da Argentina (depois da luta das mulheres na sociedade, os dicionários já registram e a gramática  define o feminino de presidente, como presidenta)  está listada na décima terceira posição, Michelle Bachelet, presidenta do Chile é a vigésima quinta  e a Rainha Elizabeth II da Inglaterra, mais distante, a qüinquagésima oitava. Ainda de acordo com a Forbes, a brasileira Gisele Bündchen  lidera o topo das modelos mais bem pagas do planeta, tendo recebido US$ 35 milhões no último ano, o dobro da segunda colocada, a alemã Heidi Klum.  A nova consciência feminina é surpreendente na política, ciências, esportes, artes, comércio, enfim, em todas as atividades, suscitando uma grande expectativa: será que no futuro elas comandarão o mundo?

         Com prós e contras,  algumas mulheres da cidade de Lowell assim se manifestaram:

         Renata Dias, da Minas Empórium - “A mulher continuará ocupando o espaço conquistado arduamente através dos tempos, tendo assim os mesmos direitos e oportunidades que durante milênios prevaleceram aos homens.  Estes terão que se acostumar com a idéia de competir esse espaço com a mulher, seja ele no trabalho, na vida social ou familiar. Também, é inevitável citar o sucesso da vida de um homem sem que haja a presença de uma valorosa mulher”. 

        Kate Monteiro Lessard, da MAPS – “As mulheres são mais acessíveis, mais abertas à inovação e flexíveis à mudança de pontos de vista. A liderança feminina busca mais a resolução dos conflitos, o bem-estar das pessoas e, também, são elas mais hábeis nas multitarefas. E é isso que o mundo está precisando. Mas ainda há muita luta pela frente para mudar esta estrutura machista que acha que a mulher não está à altura do homem”. 

         Adriana Azevedo, da Romeu e Julieta - “As mulheres desde o movimento feminista têm colocado as mãos na massa e mostrado que aquela imagem de “Amélia”, que subsiste no inconsciente masculino, está sendo rompida, e que os direitos são iguais, no papel e na prática. É necessário que exista uma sensibilidade entre homens e mulheres para que se possa realmente ter direitos e deveres semelhantes. E isso deverá acontecer naturalmente até que as mulheres possam comandar o mundo”.

          Ana Paula Molinari, da Karol Brazil – “Com certeza as mulheres vêm com toda força, não para tirar os homens do poder ou disputar nada, mas sim para acrescentar.  Estar lado a lado com eles, oferecer sua raça e boa vontade na luta por um mundo melhor. Acredito que todos nós almejamos isso, ou seja, termos um futuro mais tranqüilo e bastante esperançoso. Life is good.God Bless you always”.

           Pastora Cleusa Costa, do Ministério Internacional de Libertação (MIL) - “Hoje a mulher tem ocupado funções que “supostamente” seriam do homem, não por ser melhor que ele, mas porque princípios básicos têm sido quebrados e deixados de lado. Eu entendo até mesmo pela lei da física, que dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar ao mesmo tempo, por isso, a medida que o homem tem se colocado de lado, as mulheres automaticamente tem entrado. Deus instituiu o homem como cabeça, e eu creio que a medida que ele for se encaixando dentro dos princípios de Deus, naturalmente irá ocupar sua posição” (mais detalhes bíblicos: www. pastoracleusacosta@hotmail.com).

         Vânia Silva, da Central Plaza Family Dental – “Eu espero que não! Acho que o barato da vida é encontrar o equilíbrio das coisas. Devemos lembrar que cada conquista implica em uma renúncia. E eu não gostaria de renunciar meus “direitos” de mulher para conquistar os deveres dos homens. Além do mais, se quisermos podemos conquistar o mundo com nosso jeitinho. Meu avô falava: “ o homem é a cabeça e a mulher o pescoço, que vira a cabeça para onde ela quer”.

        Se a maioria das mulheres acredita que no futuro tudo estará em suas mãos, os homens do outro lado reagem dizendo que o mundo é masculino e que eles, sim, são os verdadeiros marechais.  Sem dúvida, a polêmica se arrastará e somente aquele que viver mais adiante poderá  afirmar quem tem a razão!

Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times)