Publicado em 7/10/2008 as 12:00am

Defesa vai ao STF contra extradição de fundadores da Renascer

Os advogados do casal Estevan Hernandes Filho e Sonia Haddad Moraes Hernandes, bispos e fundadores da Igreja Renascer em Cristo, entraram com pedido de habeas corpus na sexta-feira (3) contra o pedido de extradição feito pelo Brasil aos Estados Unidos, on

Os advogados do casal Estevan Hernandes Filho e Sonia Haddad Moraes Hernandes, bispos e fundadores da Igreja Renascer em Cristo, entraram com pedido de habeas corpus na sexta-feira (3) contra o pedido de extradição feito pelo Brasil aos Estados Unidos, onde eles também têm residência.

Os bispos são acusados de lavagem de dinheiro por meio de organização criminosa. A defesa do casal alega que o pedido de extradição viola acordo entre Brasil e Estados Unidos, segundo o qual o crime de lavagem de dinheiro não é passível de extradição.

A defesa argumenta ainda que o pedido de extradição apresentado pela 1ª Vara Criminal de São deve ser revogado por não apresentar fundamentação legal, já que o pedido de prisão preventiva do casal acabou suspenso. No pedido de habeas corpus, a defesa diz que “não existe mais o pedido de prisão a validar qualquer extradição, tornando-a mesmo, por absoluto, pantanosa”.

Prisão

Os fundadores da Igreja Apostólica Renascer em Cristo, Estevam e Sonia Hernandes estão nos Estados Unidos, onde foram presos após tentarem entrar naquele país em janeiro de 2007 com dinheiro não declarado. Parte dele dentro de uma Bíblia com fundo falso.

Após serem presos e julgados, eles foram condenados pelo juiz Federico Moreno, do Tribunal Federal do Sul da Flórida, a cumprir pena intercalada. O casal foi condenado a cumprir cerca de cinco meses de prisão em regime fechado e mais cinco meses de prisão domiciliar nos Estados Unidos. Estevam Hernandes ficou preso do início de agosto até o dia 29 de dezembro de 2007. No final de janeiro, Sonia Hernandes se apresentou à Justiça americana e foi encaminhada para prisão em Talhahase, na Flórida.

Além da prisão, Estevam e Sônia Hernandes pagaram, cada um, multa de US$ 30 mil à Justiça americana. Eles terão ainda que cumprir dois anos de liberdade vigiada contados a partir da data da divulgação da sentença do juiz americano, dia 17 de agosto de 2007. Por causa dessa decisão, eles só poderão sair dos EUA com autorização judicial.

Fonte: (G1)