Publicado em 9/10/2008 as 12:00am

Assassino de Carla e Caíque vai finalmente à Júri

Há dois anos, Jeremias Bins assassinou a esposa, Carla Souza, de 37 anos e o enteado Caíque Souza, de 11 anos à marteladas. O caso, que até hoje não obteve uma sentença, vai finalmente à júri em uma série de audiências que se iniciam no dia 17 de Outubro

           Por Marcelo Zicker


            Às 11 pm do dia 20 de maio de 2006, o marceneiro Jeremias Bins tomou posse de seu instrumento de trabalho, um martelo, para realizar um crime brutal, que aterrorizou a comunidade brasileira de Framimgham, Massachusetts.  Após meses de ameaças, ele assassinou, à sangue frio, a esposa, Carla Souza, de 37 anos e o enteado Caíque Souza, de 11 anos à marteladas. Na época do crime, especulou-se que o rondoniense Jeremias foi motivado por um doentio ciúme da relação da esposa e do enteado com a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, mais conhecida como “Igreja Mórmon”, pois além de Carla receber visitas frequentes de membros da Igreja na casa do casal, Jeremias era católico e questionava as doutrinas “Mórmons”.

            O caso, que até hoje não obteve uma sentença, vai finalmente à júri em uma série de audiências que se iniciam no dia 17 de Outubro. O pai de Caíque, Antônio Souza Júnior, se diz aliviado com a definição do caso e espera que a justiça seja feita. “Tudo que eu quero é que essa pessoa pague pelo crime que cometeu, pela dor que ela causou a mim e à meus familiares. São muitas provas e evidências que não deixam dúvida da autoria do crime. Marcas no apartamento, fotos e até uma gravação dele assumindo a culpa. Agora, é torcer por justiça” declara Antônio. Ainda segundo ele, a demora na resolução do caso se deu por que Jeremias insiste em omitir a culpa no caso. “Ele nunca assumiu de fato que cometeu os assassinatos. Acredito que seja uma estratégia para alongar a sentença e tentar uma alternativa que não seja assumir o óbvio. Não desejo que ninguém passe o resto da vida na cadeia, mas tem que haver justiça, para que novos casos não venham a acontecer” afirma.

           

Superação

 

            O baiano Antônio Souza Júnior, há 13 anos residindo nos EUA tenta, em vão, esquecer do acontecimento que marcou a sua vida para sempre. “Não tem como esquecer, era meu filho. Sempre que eu falo nesse assunto, a emoção me traz a lembrança, a saudade. Porém, tudo que eu mais quero mesmo é que esse caso acabe de uma vez. É como uma ferida aberta, quanto mais se toca nela, mas machuca” desabafa Antônio que, desde o crime, segue tentando conciliar a vida cotidiana, entre trabalho e família, com ações de conscientização, como a edição do “Clothesline” que foi dedicada ao caso. O projeto é promovido pela instituição Vozes Contra Violência, no qual os parentes e amigos pintaram e desenharam em camisetas como uma forma de terapia, exprimindo o sentimento com relação à tragédia.

            Segundo Antônio, casos de violência, como o que ocorreu com seu filho e ex-mulher, são um problema universal, só que poucos tem coragem de denunciar. “O brasileiro, principalmente, tem muita vergonha de denunciar uma agressão ou ameaça. Tem a tendência de acreditar que são problemas comuns, que uma hora tudo melhora, que tudo vai ser “ajeitar”. Porém, muitas vezes já é tarde demais, como aconteceu com o Caíque e com a Carla” afirma ele, dizendo respeito ao fato de que Carla teria recebido uma série de ameaças de morte do marido meses antes da tragédia.

Cara-a-cara no tribunal

As audiências para resolução do caso se iniciarão no dia 17 de Outubro, terminando no dia 31. Antônio que,  pela primeira vez, estará frente a frente com seu algoz, Jeremias, faz um apelo para contar com a presença  de todos aqueles que esperam um final justo para o caso :

 

“Compareçam ! A audiência vai ser aberta ao público, espero contar com o maior número de pessoas possível torcendo para que a justiça seja feita!”

 

Obs : Segundo a lei do estado, só será permitida a presença na Côrte mediante a utilização de quaisquer vestimentas, faixas,  adereços em geral que  NÃO façam referências às imagens de Caíque e de Carla.


Dias das audiências :

 

Inicia-se no dia 17 de Outubro, seguindo a partir do dia 20 até o dia 24 de Outubro. Recomeça novamente dia 27 de Outubro até a decisão final no dia 31. Os julgamentos terão início sempre às 9am.

 

200 MIDDLESEX  SUPERIOR COURT

100 Sylvan Road, 5º andar, sala 530 , Woburn, MA 

 

Direções via carro : Saída 38 da 128 North

Fonte: (ANBT - Agência de Notícias Brazilian Times)